Dom Wilson, é padre há 34 anos. Em dez deles trabalhou como  professor do Seminário de Filosofia, em Brusque, onde formou-se nesta área. Ele é bispo desde 11 de junho de 2003, quando foi nomeado bispo auxiliar do Rio de Janeiro
Dom Wilson, é padre há 34 anos. Em dez deles trabalhou como professor do Seminário de Filosofia, em Brusque, onde formou-se nesta área. Ele é bispo desde 11 de junho de 2003, quando foi nomeado bispo auxiliar do Rio de Janeiro

 

Zahyra Mattar
Tubarão
 
Após sete meses de espera, a arquidiocese de Florianópolis festeja a chegada de seu novo arcebispo, Dom   Wilson Tadeu Jönck. Em contrapartida, a comunidade de Tubarão fica triste com a partida de seu bispo, pouco mais de um ano após sua chegada, em 18 de julho do ano passado.
 
O anúncio oficial da nomeação, pelo papa Bento 16, foi feito na manhã de ontem. Dom Wilson tem 60 anos, é natural de Vidal    Ramos, no oeste catarinense. A posse será no dia 15 de novembro. Dom Wilson será o sexto bispo e quinto arcebispo de Florianópolis.
 
A arquidiocese estava vacante desde janeiro deste ano, quando Dom Murilo Krieger foi transferido para Salvador, capital baiana. “Também fiquei surpreso com a notícia. Quando cheguei em Tubarão, a primeira pergunta que me fizeram foi por quanto tempo ficaria. Na época respondi que era por muito tempo”, relembra Dom Wilson, com carinho. 
 
Para ele, a nova missão será desafiadora, especialmente por conta do tamanho da arquidiocese. “Sigo com a mesma disposição com que vim para Tubarão. Substancialmente o trabalho lá não será diferente do desenvolvido aqui. A diferença está no tamanho dos lugares”, compara Dom Wilson.
 
Até o dia 15 de novembro, quando será empossado em Florianópolis, Dom Wilson ocupará a função de administrador da diocese de Tubarão. Após sua saída, a vaga será preenchida por outra pessoa, ainda a ser escolhida. Na época da chega dele, esta função era exercida pelo padre Nilo Buss.
 
“Saio daqui como tubaronense. Levo a melhor imagem que poderia ter da cidade e das pessoas. Em pouco tempo pude observar algo que passei a admirar: a fé das pessoas, a maneira como a vivenciam”, elogia Dom Wilson, o quinto bispo de Tubarão.
 
Novo bispo deve ser anunciado até 2012
O processo de transição na troca de um bispo, normalmente, ocorre rapidamente. Uma vez aceito o pedido de afastamento pelo papa, imediatamente é nomeado outro bispo. Porém, há uma fase de transição, período chamado de sede vacante, quando ocorre a nomeação de um administrador da diocese.
 
Pode ser tanto um padre quanto o próprio bispo, desde que esse tenha condições e queira permanecer até a chegada do nome oficial. Não é o que ocorrerá em Tubarão, já que Dom Wilson Tadeu Jönck será empossado em 15 de novembro em Florianópolis.
 
Por conta disso, haverá a escolha do novo administrador diocesano. Em relação ao perfil, a igreja católica não tem buscado uma linha específica de doutrina nos processos de transição. O que se procura no bispo é observar determinados critérios teológicos e práticos. O processo de observar quais os nomes poderão ser indicados à vaga fica a encargo do núncio apostólico, cuja função é semelhante a um embaixador.
 
Neste caso representa o Vaticano no Brasil. Os nomes são enviado ao papa, que faz a escolha e, posteriormente a nomeação. “Acredito que o novo bispo de Tubarão deverá ser anunciado entre o fim deste ano e o começo do próximo”, palpita Dom Wilson.
 
A diocese de Tubarão
• São 17 municípios da Amurel e mais Orleans.
• Abrange cerca de 350 mil pessoas.
• Envolve 407 comunidades (cada uma com uma igreja, capela ou gruta).
• O Conselho de Consultores é formado pelos seguintes padres: Anselmo Buss, Pedro de Biasi, Auricélio Costa, Edison Müller, Sérgio Jeremias, Lino Brunel, Nilo Buss e Edinei Ouriques da Silva.
• São 28 paróquias.