Jovens de cinco escolas de Tubarão assistiram a uma palestra sobre o alerta contra as drogas ontem
Jovens de cinco escolas de Tubarão assistiram a uma palestra sobre o alerta contra as drogas ontem

Karen Novochadlo
Tubarão

 
De cada 100 ocorrências registradas mensalmente na delegacia de Proteção à Mulher, Criança e ao Idoso, em Tubarão, pelo menos 90 têm envolvimento de pessoas que abusaram do álcool. E um dado preocupante é de que os jovens estão bebendo cada vez mais cedo. Nesta sexta-feira, é o Dia Municipal de Combate ao Álcool. Na data, o Conselho Municipal de Segurança realizará uma panfletagem dentro das escolas. E quem melhor do que os jovens para espalhar a mensagem para os demais?
 
Mais de 20 jovens de cinco escolas de Tubarão – entre quatro a seis jovens  por unidade de ensino – foram selecionados para participar de um treinamento para a distribuição de panfletos. E uma palestra foi ministrada ontem pelo psicólogo Marcelo Ghizzo do Centro de Atenção Psicossocial (Caps).
 
De acordo com Marcelo, 3% da população brasileira é alcoólica. Hoje, 66% das mortes dos alcoólicos são associadas à violência e outras 34% relacionadas a doenças como cirrose, insuficiência hepática e hepatite. “O álcool mata mais do que o crack”, alerta o psicólogo. 
 
Ele ainda revela que abandonar o álcool é mais difícil em certos aspectos que drogas ilícitas. A crise de abstinência é muito forte em um alcoólatra. E o índice de recaída é de 3%. 
 
O abuso do álcool tem começado mais cedo devido a vários fatores, como a grande oferta que existe hoje. A bebida é associada a diversão e festa. “É uma inversão de valores”, revela o psicólogo. 
Segundo o presidente do Conselho Municipal de Segurança (Conseg), Maurício da Silva, a idade de adesão dos jovens ao álcool cai cada vez mais. Antes, começava-se a beber aos 14 anos, hoje existem crianças com 10 anos já nestas estatísticas.
 
Conscientização nas escolas 
As escolas que participarão da panfletagem, nesta sexta-feira, no Dia Municipal de Combate ao Álcool, são: João Teixeira Nunes, Escola Jovem, São José, João 23 e Martinho Alves dos Santos. A aluna da São José, Tatiana Ribeiro de Roya, 18 anos, explica que se interessou pelo tema por causa da relevância. “O álcool pode ocasionar acidentes de carro”, explica. 
A professora Patrícia Alves Sousa, 33 anos, acompanhou aos alunos do João Teixeira Nunes à palestra de ontem, no São José. “É um assunto extremamente importante. A prevenção tem que começar cada vez mais cedo. Estamos cientes de que álcool afasta os alunos dos estudos”, orienta Patrícia.