No dia 25 de junho de 2009, o mundo perdia o cantor Michael Jackson aos 50 anos de idade após uma parada cardíaca.

O impacto da morte do Rei do Pop foi tanto que seu velório, que aconteceu no dia 7 de julho no Staples Center em Los Angeles (EUA), foi assistido por quase 31 milhões de telespectadores, de acordo com a empresa Nielsen Media Research. A cerimônia contou com apresentação de artistas como Mariah Carey, Usher e Lionel Richie.

Durante sua carreira solo, o cantor lançou dez álbuns de estúdio: “Got To Be There” (1972); “Ben” (1972); “Music & Me” (1973); “Forever, Michael” (1975); “Off The Wall” (1979); “Thriller” (1982); “Bad” (1987); “Dangerous” (1991); “HIStory, past, presente, future” (1975) e “Invencible” (2001).

Além disso, outros dois álbuns póstumos foram divulgados incluindo faixas inéditas: “Michael” (2010) e “Xscape” (2014).

Estima-se que, em toda sua carreira, o astro tenha alcançado a marca de 750 milhões de discos vendidos, sendo “Thriller” o com maior número de cópias. E além das vendas, o artista fez sucesso com prêmios também. Ao todo, foram 13 Grammy’s que ele levou em 35 indicações, sendo que só em 1984 foram 8, e passou pelas principais categorias, como, por exemplo, álbum do ano, melhor videoclipe e música do ano.