A Secretaria de Estado de Saúde de Minas Gerais confirmou, na noite desta terça-feira (7),  a morte de um dos pacientes internados com uma doença misteriosa, que assombra o estado,  Paschoal Demartini Filho, de 55 anos, estava internado na  Santa Casa de Misericórdia, em Juiz de Fora.  

Pouco antes do Natal, Paschoal se reuniu com a família no bairro Buritis, poucos dias depois começou a passar mal.  Outros seis homens estão internados com o mesmo sintoma que apareceram na mesma época.

Um dos pacientes está internado em Nova Lima, na Grande BH, e outros cinco na capital mineira, um deles é genro de Paschoal. 

No início tiveram  problemas gastrointestinais (náusea e/ou vomito e/ou dor abdominal). Depois, os pacientes sofrem insuficiência renal aguda de evolução rápida (em até 72 horas) somada a alterações neurológicas, como paralisia facial e descendente, borramento visual, amaurose (perda da visão parcial ou totalmente) e alteração sensorial.

Todos os pacientes, com exceção do que está em Nova Lima, passaram pelo bairro Buritis, em Belo Horizonte. 

Operação das autoridades  

As investigações do Centro de Informações Estratégicas em Vigilância em Saúde (Cievs-Minas), em nota o Cievs-Minas informou que uma força-tarefa foi designada pelas autoridades de saúde para vasculhar estabelecimentos comerciais e casas do Bairro Buritis, na Região Oeste de Belo Horizonte, em busca de respostas para a doença. 

Ao grupo formado por agentes de saúde locais para trabalhar no caso, juntou-se uma equipe enviada pelo Ministério da Saúde. Intoxicação exógena ou agente infeccioso são as duas principais linhas de investigação da Secretaria Estadual de Saúde. Nada, entretanto, está descartado, numa lista que vai de arboviroses a intoxicação alimentar ou por produtos químicos. 

O corpo de Paschoal passará por necrópsia em Minas Gerais.