Das mãos do vice-governador do Paraná, Darci Piana, veio o troféu com a premiação que elegeu a startup tubaronense Brasil ao Cubo como a empresa mais inovadora do ramo da construção civil no último ano, em âmbito nacional. A startup conquistou o primeiro lugar na categoria Empreendedorismo Econômico – Empresa de Médio Porte na 12ª edição do Prêmio Ozires Silva de Empreendedorismo Sustentável, um dos maiores prêmios nacionais do segmento.  

O objetivo do prêmio é reconhecer iniciativas inovadoras sustentáveis, com os melhores projetos na área de empreendedorismo, que sirvam de referência e contribuam para o desenvolvimento da sociedade. O ISAE Escola de Negócios é o responsável pela premiação que tem como apoiadores o Sebrae-PR, Itaipu Binacional, Copel e Moondu. 

Mais de 800 projetos, de 18 estados, foram inscritos na competição deste ano. Eles foram divididos nas categorias Ambiental, Econômica, Social e Educação. A cerimônia de premiação ocorreu na última semana, em Curitiba no Paraná, e contou com a participação de diversas autoridades. O engenheiro e precursor da indústria da aviação no país, Ozires Silva, que dá nome à iniciativa, não pôde estar presente devido a problemas de saúde. 

O que chamou a atenção dos jurados é que a Brasil ao Cubo – também chamada de BR3 por seus idealizadores – aplica as técnicas de produção em série, largamente utilizadas no setor automobilístico para uma área ainda liderada pelo artesanal. Transforma o ramo da construção de maneira mais eficaz possível, minimizando o desperdício, aproveitando espaços, reduzindo o tempo de construção e os custos. Isso é possível por meio das construções inteligentes criadas pela empresa.  As obras são literalmente construídas em um parque fabril instalado na cidade de Tubarão e saem de lá prontas. Seja uma residência, um comércio ou qualquer outro modelo de negócio. As possibilidades são diversas. 

“O fato de poder fabricar obras, no sentido literal, para serem instaladas no terreno do cliente em poucos dias, fez da BR3 uma empresa altamente inovadora e tecnológica, o que chamou a atenção da ISAE Escola de Negócios e também da pessoa que leva o nome do prêmio, Ozires Silva, fundador da Embraer”, conta o engenheiro civil e de produção Ricardo Mateus, fundador da Brasil ao Cubo. 

“Sermos premiados da maneira como fomos e, principalmente, termos chamado a atenção dos idealizadores do prêmio e ainda ter a oportunidade de trazer este troféu pra casa, com o nome do precursor do empreendedorismo brasileiro, certamente é motivo de inspiração e garantia de que estamos no caminho certo. Isso ainda nos faz refletir que aquele sonho de um dia o Brasil irá fabricar obras como se constrói um automóvel está cada vez mais perto”, avalia Ricardo. 

Os projetos foram analisados por uma banca julgadora especializada em áreas específicas e de mercado. “Ficamos muito satisfeitos com o nível dos trabalhos inscritos. Ano após ano o Prêmio Ozires Silva tem se consolidado como uma das mais importantes premiações do Brasil quando o assunto é empreendedorismo sustentável. Daqui saíram cases que, em pouco tempo, ganharão o País e isso nos deixa muito orgulhosos”, comenta o presidente do ISAE Escola de Negócios, Normam de Paula Arruda Filho, que participou da premiação.