Laguna

O edital de licitação para restauração da Casa de Anita foi lançado nesta semana. Segundo o presidente da Fundação Lagunense de Cultura Márcio José Rodrigues Filho, trata-se de uma aguardada intervenção em um dos pontos de interesse mais relevantes do município. “Caso houvesse qualquer intervenção na edificação para a correção pontual das imperfeições da casa que permitissem a sua abertura, não estariam finalizadas até esta data. Essas intervenções seriam desfeitas pelo restauro integral, muito mais profundo e com o objetivo de ressignificar o local”, explica.

A obra custará R$ 607.114,31. Os recursos são de origem Federal, dentro do PAC das Cidades Históricas. Os termos de referência, processo licitatório, execução da obra seguirão os trâmites do Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan).

A entrega das propostas será no Iphan de Florianópolis ocorrer até o próximo dia 9. Na edificação localizada ao lado da igreja Santo Antônio, no centro histórico, onde Anita Garibaldi vestiu-se para o seu primeiro casamento, com o sapateiro Manoel Duarte de Aguiar, em 1835. Foi construída em 1711 e funciona como museu, com um acervo que lembra a trajetória de Anita e seu romance com Giuseppe Garibaldi. Atualmente, por motivo de segurança dos visitantes está fechada.

O espaço guarda, além de móveis da época e utensílios pessoais, uma urna com a terra da sepultura da heroína e o mastro do navio ‘Seival’,  uma das embarcações transportadas por Giuseppe Garibaldi desde o interior do Rio Grande do Sul tomada de Laguna. A edificação foi restaurada na década de 1970 e transformada em relicário histórico.

Anita Garibaldi

Ana Maria de Jesus Ribeiro, mais conhecida como Anita Garibaldi, nasceu em 30 de agosto de 1821, em Morrinhos do Mirim,  Laguna. Filha de Bento Ribeiro da Silva e Maria Antônia de Jesus Antunes.

De origem simples, casou-se pela primeira vez, em 1835, com o sapateiro Manoel Duarte de Aguiar. Com o surgimento, no Rio Grande do Sul, do movimento dos farrapos contra a monarquia, Manoel aliou-se às forças imperiais e seguiu com o exército abandonando a sua esposa.

A proclamação da República Rio Grandense ocorreu em 1836 e com isso, a necessidade de um porto marítimo motiva a tomada da Vila de Laguna. Em 22 de julho de 1839, as forças farroupilhas, com a ajuda de Giuseppe Garibaldi (1807 – 1882), político e militar revolucionário italiano, tomaram a Vila e proclamaram a República Juliana.

Aos 18 anos, Ana Maria conhece o italiano Giuseppe e se apaixonam. Garibaldi começa a chamar Aninha de Anita, diminutivo de Ana em italiano. Nascia naquele momento a heroína Ítalo-Brasileira, que ao lado do italiano começa a guerrear. Já no combate de Curitibanos em 15 de novembro de 1839, precisa fugir atravessando a nado o Rio Canoas. Em 16 de setembro de 1840, Anita tem seu primeiro filho com Garibaldi, vindo a regularizarem a sua situação somente em 26 de março de 1842, quando casaram-se no Uruguai.

Posteriormente, Anita já com três filhos, vai para a Itália onde luta ao lado do marido pela Unificação e Libertação da Itália, frente aos seus inimigos austríacos. Com a derrota foram obrigados a se retirarem em barcos de pesca. Alguns caíram em poder dos austríacos, porém o que conduzia o casal Garibaldi encalhou numa praia. Anita e Giuseppe, com alguns companheiros, abrigaram-se numa propriedade rural nas proximidades de Ravenna. Anita grávida, com seu estado de saúde precário, veio a falecer, por volta das 19h45 do dia 4 de agosto de 1849. Em sua memória foram erguidos monumentos em Roma, Ravenna, Porto Alegre, Belo Horizonte, Florianópolis, Laguna e Tubarão.