Ponte de madeira sobre o Rio Congonhas foi reformada um pouco antes do feriado do Carnaval. A passagem será mantida mesmo após a construção da de concreto, ao lado
Ponte de madeira sobre o Rio Congonhas foi reformada um pouco antes do feriado do Carnaval. A passagem será mantida mesmo após a construção da de concreto, ao lado

 

Zahyra Mattar
Jaguaruna
 
A expectativa aumenta em torno da construção da nova ponte de concreto em Congonhas, na divisa entre Tubarão e Jaguaruna. Ontem, último dia para as interessadas retirarem o edital para participar da concorrência pública, o setor de licitações da prefeitura litorânea confirmou que 12 empresas haviam feito isso.
 
O número poderá ser maior, já que o prazo encerrava às 17 horas e o último acompanhamento feito pelo Notisul ocorreu uma horas antes do prazo final. A quantidade de empresas que levarão propostas para serem apresentadas nesta sexta-feira, às 9 horas, também poderá ser diferente.
 
Nem todas as interessadas na obra acabam por concretizar proposições.   Independente disso, a boa notícia fica por conta do andamento da concorrência e a certeza que a obra, enfim, vai sair do papel.
 
As propostas já eram para ter sido apresentadas na semana passada. Mas um erro no edital – originalmente lançado no dia 28 do mês passado – fez com que o documento precisasse ser corrigido e republicado. 
 
Conforme o projeto, a nova ponte de Congonhas terá 42 metros de extensão com oito de largura. A travessia também contará com uma faixa de rolamento e passagem para pedestres.
 
Como este é um ano eleitoral, os prazos devem ser cumpridos à risca. O primeiro repasse do convênio com o estado precisa ser feito, obrigatoriamente, até o dia 7 de julho. Caso contrário, o município só pode voltar a receber a verba após 15 de novembro.
 
Uma ponte, uma saga
Desde 2006, as comunidades de Congonhas e Jabuticabeira, bairros de Tubarão e Jaguaruna, respectivamente, que fazem os limites entre as duas cidades, reivindicam a construção de uma nova ponte sobre o Rio Congonhas.
A ordem de serviço chegou a ser assinada em 2008. Porém, a obra estava atrelada a outra, a ponte de Torneiro, na divisa de Jaguaruna com Içara. A prefeitura de Tubarão chegou a repassar R$ 50 mil para Jaguaruna. O trabalho começou e parou logo em seguida. O dinheiro do convênio foi devolvido. 
Em 12 de setembro de 2009, engenheiros da prefeitura de Tubarão interditaram a ponte. O motivo era o estado precário da passagem. Conforme um laudo, não existia possibilidade de reformar a travessia de madeira. 
Barreiras foram colocadas pelo lado tubaronense, mas foram retiradas pelos moradores e usuários da estrada. Em janeiro deste ano, o empresário Beto Lima caiu da travessia. 
Passava de bicicleta quando a roda ficou presa em uma madeira podre. Foi quando o assunto ganhou outro tom. Após um novo laudo realizado pela Defesa Civil de Tubarão, a travessia voltou a ser interditada em 25 de janeiro. 
Depois de um incêndio, a ponte foi reformada e voltou a ser liberada em 17 de fevereiro. Agora, a nova licitação é feita para que, enfim, seja construída a ponte de concreto.
 
O convênio
A obra está avaliada em aproximadamente R$ 900 mil. Conforme o convênio, as prefeituras de Tubarão e Jaguaruna ficam responsáveis pelo repasse de R$ 150 mil cada. Já o governo do estado entrará com a maior parte: R$ 600 mil.