Aos 33 anos, Betinho é o prefeito  eleito mais jovem da região. -  Fotos: Kalil de Oliveira/Notisul.
Aos 33 anos, Betinho é o prefeito eleito mais jovem da região. - Fotos: Kalil de Oliveira/Notisul.

Kalil de Oliveira
Braço do Norte

Em um universo de 22.836 eleitores, o segundo vereador mais votado nas eleições de 2012 e ex-secretário da Agência de Desenvolvimento Regional (ADR), Roberto Kuerten Marcelino (PSD), o Beto, é o prefeito eleito na maior cidade do Vale de Braço do Norte, com 12.687 votos. A conquista surgiu como resultado de uma ampla aliança composta por sete partidos: PT, PSDB, PRB, PR, DEM, PP, e PSD. Beto vai administrar a cidade ao lado do progressista Ronaldo Fornazza (PP) e é o primeiro do PSD na capital da moldura.

O futuro prefeito juntou-se aos correligionários e o vice na festa da vitória em frente à sua casa. Em seguida, a comemoração tomou as principais ruas de Braço do Norte no início da noite de ontem. “Temos novas ideias e novos projetos, sempre pensando no melhor para o cidadão, de todas as idades. Com esse grande time, só temos um objetivo: ver nossos sonhos para Braço do Norte se tornarem realidade”, declarou.

Eleição equilibrada e amistosa
O resultado chama a atenção pelo equilíbrio entre os candidatos até o último momento. No sábado, Ademir Matos (PMDB) e Beto ainda pediam votos. A estratégia dos peemedebistas foi pedalar pelas ruas do Centro e bairros próximos, enquanto Beto caminhava com simpatizantes. Os dois grupos chegaram a se encontrar na rua Jorge Lacerda, sem provocações. 
Quando votou, ontem, às 10 horas, Ademir fez uma rápida análise de sua trajetória e disse que aceitaria o resultado das urnas independente de qual fosse. Inclusive, destacou as qualidades de seu concorrente.

 
Pedalada x caminhada no sábado: partidos colocaram os blocos na rua até o último dia de campanha.

Novo prefeito terá maioria folgada no legislativo
O PSD de Braço do Norte, que tinha duas cadeiras na Câmara de Vereadores, fez quatro das 11 disponíveis. Na aliança que elegeu Beto, a nova composição fez ainda outros três aliados, totalizando sete vagas. O PMDB se manteve como a segunda maior força política na casa, com três vereadores, e fez disparado o campeão de votos, Israel de Souza, com 1.211, quase 300 votos a mais que o segundo colocado, Ricardo Medeiros (PSD). Israel e Ricardo fazem parte da renovação e chegam ao legislativo com outros nomes: Nina da Saúde (PMDB), Perin (PSD), Beto da Patrola (PMDB), Roberto Kindermann (PSD), Torrado (PTB) e Rafael Marcelino Borgert (PSD). Entre os vereadores em exercício, apenas Soraya Michles Richter (PSDB), Arlete Ramos (PP) e Maria da Silva Kulkamp (PP) conseguiram manter seus mandatos.