Florianópolis

O catarinense Alejo Muniz competiu até sábado na África do Sul e já está escalado na primeira bateria do Maresia Surf International, que inicia às 8 horas de hoje, na Praia Mole, em Florianópolis. Um total de 144 surfistas de 17 países disputará os US$ 145.000 e 2,5 mil pontos da primeira das duas etapas seguidas com nível seis estrelas do Brasil. Elas definem o novo ranking de entradas para o restante da temporada do WQS.

“O ponto mais importante dessa nova passagem do WQS pelo Brasil é fundamentalmente o corte do meio do ano no ranking, cujo seeding (ranking de entradas) muda para o da classificação atual”, destaca Roberto Perdigão, diretor da ASP South America, escritório regional da ASP na América do Sul. Este ranking de entradas define os 48 cabeças-de-chave que só estreiam na segunda fase das etapas com nível seis estrelas como as duas do Brasil.

“Até o ano passado, isso acontecia após o Mr. Price Pro da África do Sul (encerrado domingo), mas agora o Brasil ganhou esse privilégio de fazer parte deste momento importante do ano, quando os top-30 do ranking atual do WQS passam a entrar direto como cabeças-de-chave na fase dos 96 atletas. Isso é ótimo para os brasileiros, que vão ter duas etapas em casa para melhorarem suas posições no ranking”, complementou Perdigão, informando que o novo ranking de entradas será inaugurado na etapa do México, depois das duas do Brasil.

O Maresia Surf International segue até domingo na Praia Mole e na próxima semana tem a estreia do Rip Curl Coca-Cola Saquarema Pro na Praia de Itaúna, em Saquarema, na Região dos Lagos do Rio de Janeiro. As duas provas são limitadas para 144 participantes e a maioria é do Brasil. Na Ilha de Santa Catarina, são 87 brasileiros inscritos e a competição, que nos dois últimos anos foi realizada na Praia Brava, em Itajaí, será inaugurada em uma bateria verde-amarela entre o catarinense Alejo Muniz, o carioca Marcelo Trekinho, o paulista Ricardo Ferreira e David Martins.