Thiago Oliveira

Superar os 42 quilômetros de uma maratona comum já é um desafio para poucos. Na neve, debaixo de um frio de -5ºC, é necessário uma superação ainda maior. Foi o que o tubaronense André Menezes, de 28 anos, conquistou. 

O corredor venceu as temperaturas negativas e as subidas e descidas de uma montanha no Ushuaia, no extremo-sul da Argentina, para ficar com o título da categoria 18-29 anos do Mountain Do Fim do Mundo.

 “Eu me emocionei na chegada. Não foi minha primeira maratona, mas era uma coisa que eu estava esperando há bastante tempo. Uma ansiedade boa. E a experiência de correr na neve, chegar entre os primeiros. Porque foi uma prova difícil. Às vezes pensa em diminuir o ritmo, em caminhar um pouco. A maratona é um pouco físico, um pouco equipamento, mas muito mental. É uma luta contra a tua cabeça”, conta Menezes, que entre todos os 350 competidores, ficou com a 14ª posição geral.

Para o atleta amador, correr na neve foi o menor dos obstáculos. Além de ter que acertar nos equipamentos, também foi necessário cuidado, já que há dois anos, um competidor morreu em uma outra prova realizada na região.

 “Não é um piso tão difícil, mas tem que tomar cuidado que em alguns pontos pode escorregar e essa prova tinha algumas partes em alta montanha. Parte em bosque, em vales, mas também subindo e descendo montanha. A gente estava descendo de um lado e os esquiadores do outro. Mas eu gosto muito do desafio do esporte e da natureza”, revela.

O corredor já pensa em mais um desafio no exterior. Desta vez, nas areias do deserto de Atacama, no Chile. “Se tudo der certo, em março, a próxima é no deserto. Já estou me organizando. Talvez a próxima missão mais difícil seja essa”, completa.