Foto: Alex Bondan/Divulgação
Foto: Alex Bondan/Divulgação

Alex Bondan

Garopaba  

O domingo foi maravilhoso em Garopaba. Sol, pouco vento e pódio para o tubaronense Mauro Campos Matos, na categoria 30-34 anos, no mais antigo e tradicional evento de Triathlon do Brasil. No geral, Chicão Ferreira e Julia Romariz venceram os 750 metros de natação, 20 km de ciclismo e 5 km corrida.

O 26° Triathlon de Garopaba é o mais antigo do Brasil, ao lado da prova do Exército, em Vitória-ES. Aproximadamente 170 atletas, entre seis e sessenta anos participaram. “A prova foi muito boa, condições perfeitas. Apenas o ciclismo foi diferente do ano passado, como muitas retomadas”, avalia o tubaronense, Mauro Matos. Ele representa uma equipe de Jaraguá do Sul, mas treina natação no Clube 29 e pedala e corre pelas vias de Tubarão.

Para o campeão geral, Chicão Ferreira, o Triathlon de Garopaba foi um ótimo treino para seus próximos compromissos. “Prova muito legal com mar lisinho. Agora tenho o Pan-americano em Fortaleza, dia 24, e o Ironman de Floripa em maio”, comemora o campeão de Balneário Camboriú.  Como no ano passado, Matheus Ghiggi foi o vice. “Já venci 3 vezes aqui, mas hoje tive um erro na transição e não consegui chegar no Chicão”, analisa o medalha de prata. 

Para a atleta de São José e campeã, Julia Romariz, a liderança da prova só veio na corrida. “Prova bem disputada, sai em terceiro da água e precisei forçar na corrida”, avalia.  A vice foi Thaynara Bonetti. “Liderei desde a natação e ao longo da bike, mas a Julinha é muito forte na corrida e venceu”, diz Thaynara.

O evento também foi seletiva para a Grande Final da Copa Brasil. “A competição foi tranquila, tivemos apenas uma queda de atletas. O trabalho da Policia Militar, do Corpo de Bombeiros e da Secretaria de Trânsito foram excepcionais”, agradece a fundadora da Federação Catarinense de Triathlon (Fetrisc), Nayda Freitas. A única ressalva foram alguns turistas ou moradores, que se incomodaram com a alteração do trânsito e buzinaram. “Essa situação nos incomoda há anos e muitas vezes faz a Federação repensar a realização do evento em Garopaba”, alerta Nayda.

Na esquina em frente a casa de Jorge Luiz foram montadas as estruturas de transição das bicicletas e o pódio. Para ele, morador nativo de Garopaba, a realização da tradicional prova é um dos melhores eventos realizados na cidade. “Acho um absurdo alguns gatos pingados se sentirem incomodados com a alteração do trânsito por duas ou três horinhas. Também sou desportista, sempre acompanho a prova aqui de casa e sei da importância do evento para Santa Catarina e para o calendário nacional da modalidade”, finaliza.