Mozart alerta que muitas empresas da região deixam de patrocinar o futebol profissional pela necessidade de investir em dois clubes
Mozart alerta que muitas empresas da região deixam de patrocinar o futebol profissional pela necessidade de investir em dois clubes

 

Thiago Oliveira
Tubarão
 
Com a permanência dos times tubaronenses na Segunda Divisão do Campeonato Catarinense, voltou à tona a velha discussão de uma possível união entre os dois clubes para formar uma força única na cidade. E, enquanto alguns ficam na suposição, um torcedor preferiu dar o primeiro passo neste processo.
 
Conselheiro do Atlético Tubarão e torcedor do Hercílio Luz na juventude, o comerciante Mozart Tonon fez um projeto de unificação dos dois clubes como sugestão, para que a ideia seja levada adiante.
 
Para Mozart, um clube único, com o nome da cidade, teria condições de brigar entre os grandes de Santa Catarina. “Essa rivalidade não leva a lugar nenhum. Com um time só, conseguiríamos um apoio grande da sociedade, que torceria pela sua cidade, e também seria mais fácil de conseguir apoiadores financeiros”, afirmou.
 
Mozart citou que muitas empresas da região deixam de patrocinar o futebol profissional pela necessidade de investir nos dois clubes. “O momento é nosso. Com um time forte, toda a Amurel vai nos apoiar”, acrescenta.
 
Bairrista declarado, o comerciante sugere que os dois clubes deixem a vaidade de lado e pensem no que é melhor para a cidade. “Toda a diretoria do Atlético Tubarão aceitaria uma união de uma forma que divulgasse o nome da cidade”, analisa. “Não tem como agradar a todos, mas, aos poucos, a torcida estará do lado do time. É só ver na primeira divisão, a maioria dos clubes de sucesso tem o nome da cidade, como Criciúma, Joinville ou Brusque”.
 
O projeto
Mozart afirma que a maior riqueza de um clube de futebol não é o seu patrimônio, e sim a torcida. E, com o nome da cidade, a instituição teria receita para garantir sucesso e sobrevivência, além da necessidade de administrar o clube como empresa. 
 
Para agradar a torcedores de ambos os times, o projeto de Mozart sugere uma camisa listrada em branco, preto e azul, cores da bandeira de Tubarão, e uma barra vermelha, para remeter ao Hercílio Luz, calção branco e meias pretas. No escudo, um Leão e um Peixe, para respeitar a história hercilista e tubaronense.
 
O comerciante também sugeriu nomes para o time, sempre destacando a cidade. Entre as opções, estão Clube Futebol Tubarão, Clube Esportivo Tubarão, Tubarão Esporte Clube e Tubarão Luz F.C. Ele lembrou que a mudança de nome poderia partir do CNPJ de qualquer um dos clubes.
 
Opinião dos clubes
O presidente do Atlético Tubarão, Dorli Rufino, o Licão, afirma ser favorável, desde que a fusão beneficie o município, e não “apenas um ou outro”. Ele assegura estar aberto a conversas com o Leão do Sul sobre o assunto. 
 
Já o presidente do Hercílio Luz, Michel Mussi, é contra a união nas condições atuais, mas lembrou que o assunto cabe ao conselho do clube.
 
 
TJD arquiva denúncia do Leão contra o Camboriú
O Hercílio Luz tentou, mas não conseguiu levar adiante o julgamento que poderia lhe render a segunda vaga à Divisão Principal de Santa Catarina.
Após a denúncia do Leão do Sul de que o Camboriú teria escalado de forma irregular o zagueiro Neris, no jogo de ida da semifinal do returno, o julgamento foi marcado para hoje, mas ontem foi arquivado por Giovani Rodrigues Mariot, procurador-geral do Tribunal de Justiça Desportiva de Santa Catarina (TJD-SC).
Neris recebeu o terceiro cartão amarelo justamente contra o Hercílio Luz, e deveria ter cumprido a suspensão automática contra o Joaçaba, mas a partida não ocorreu, e o Camboriú foi declarado vencedor por W.O. Porém, no seu site, a Federação Catarinense de Futebol assinalou a partida como cancelada, o que gerou a denúncia.
O presidente do Hercílio Luz, Michel Mussi, revelou que o gerente de futebol Márcio Azevedo reuniu-se com os advogados para decidir os procedimentos a serem tomados. Não está descartado que o clube recorra a Confederação Brasileira de Futebol (CBF).