Comelli quer conhecer o gurpo de atletas antes de definir o novo esquema tático. Foto: Fernando Ribeiro/Criciúma E.C./Notisul
Comelli quer conhecer o gurpo de atletas antes de definir o novo esquema tático. Foto: Fernando Ribeiro/Criciúma E.C./Notisul

Criciúma

Depois de dez anos fora, Paulo Comelli volta a assumir o Criciúma motivado em desempenhar um bom trabalho. A principal missão do Tigre na temporada é garantir o acesso para a Série A do Campeonato Brasileiro. Juntamente com o novo treinador, chegam ao clube o auxiliar técnico Bruno Comelli e o preparador físico Márcio Corrêa.

Paulo Comelli, de 51 anos, passou pelo Criciúma em 2002. Na ocasião, o Tigre foi vice no Campeonato Catarinense. Foi ele que montou a base da equipe campeã do Brasileiro da Série B daquele ano. “É um enorme prazer voltar. Ganhei mais dez anos de experiência no futebol”, analisa o novo comandante criciumense.

Segundo ele, o esquema tático que será implantado na equipe dependerá basicamente do grupo de atletas que terá à sua disposição. “Primeiramente eu terei de conhecer as características de cada atleta, para depois definir qual o esquema tático irei adotar”, antecipa o técnico.
O treinador estava no CRB de Alagoas e mesmo assim tem boas informações sobre o atual elenco do Criciúma. “Sempre temos que estar atento a tudo o que ocorre nos clubes. Estou preparado para encarar esse novo desafio”, complementa Comelli.
A carreira do técnico é recheada de conquistas. Ele foi campeão estadual no Distrito Federal, Maranhense, Catarinense, Paranaense e Baiano. Ano passado ele levou o CRB ao vice-campeonato na Série C do Brasileiro e garantiu o acesso da equipe.

Criciúma acerta com novo diretor de futebol

O departamento de futebol do Criciúma passou por uma alteração ontem. Rubens Angelotti pediu o afastamento do cargo de diretor de futebol. Em seguida, Waldeci Rampinelli, dirigente do Tigre no título da Série B do Brasileiro em 2002, foi confirmado na vaga.
Rubens colaborava com o Tigre no cargo de diretor de futebol há pouco mais de um ano. O pedido de afastamento veio por conta de novos desafios profissionais do empresário. “A partir de agora tenho outros projetos para novos empreendimentos”, justifica Angelotti. “Agradeço muito ao presidente Antenor Angeloni pela oportunidade. Fico muito grato por ter trabalhado aqui”, complementa.

Branco exalta jogadores do Figueira

O empate por 1 a 1 com o Joinville, fora de casa, na primeira partida da semifinal do Campeonato Catarinense, teve gosto de vitória para o técnico Branco. Com um jogador a menos desde os 18 minutos do primeiro tempo, o treinador teve que reorganizar a equipe e exaltou o espírito de união dos seus comandados, que conseguiram adequar-se às novas funções e impedir a derrota.

“Foi um jogo complicadíssimo. Tivemos que remontar, reorganizar o time, e eles cumpriram tudo aquilo que pedimos no intervalo”, elogiou. O treinador repreendeu Túlio pela expulsão, mas acredita que esse tipo de atitude impensada, pelo calor da decisão, faz parte do futebol. “Normal não foi, até pela experiência que o Túlio tem. Mas faz parte. Acho que, acima de tudo, o grupo lutou, correu e conseguiu o resultado”, avaliou.

Branco destacou a união e a vontade de vencer, que os jogadores demonstraram contra o JEC, fundamentais para uma equipe que sonha com a conquista do título.
A segunda partida da semifinal será neste domingo, às 16 horas, no Estádio Orlando Scarpelli. “Não é fácil montar tudo taticamente de novo. Os jogadores se superaram. Acho que campeonato se ganha assim, nos momentos difíceis”, valorizou Branco.