Kamila Melo/Prefeitura de Tubarão/Divulgação/Notisul
Kamila Melo/Prefeitura de Tubarão/Divulgação/Notisul

Tubarão 

Quando começou a praticar Karatê, Laura Losekann viu a casapegar fogo e quase desistiu do sonho de se tornar uma atleta de elite. Compersistência e ajuda dos amigos, a jovem manteve a força e hoje é a únicatubaronense a integrar a Seleção Brasileira Adulta de Kumite.

No entanto, o grupo verde e amarelo trouxe à tona aansiedade. Com muito sacrifícios, foco e dedicação, vem também os desafios.“Não conseguia colocar na minha cabeça que é um passo de cada vez, que sãodegraus a serem percorridos”, relata a jovem.

Para adquirir maturidade e aumentar sua performance, há trêsmeses a atleta conta com o auxílio de uma psicóloga esportiva. GiseleSantinoni, baseia-se em estudos comprovados. Aplicou na atleta a NeurometriaFuncional, ciência que potencializa a saúde física e mental.

Gisele explica a necessidade de manter o equilíbrio entre osistema nervoso simpático e parassimpático. “Se o parassimpático não estiverativado como deveria, existe dificuldade em encontrar a homeostase. Assimtambém acontece com o simpático. Se durante uma luta ele não estiverrespondendo como deveria, o desempenho é sem energia, disposição”, complementa.

Dos tatames para as piscinas o nervosismo antes dascompetições permanece. Desde que começou a treinar natação, Pedro de Medeirosficava resistente ao encarar a pressão dos campeonatos. “Principalmente quandoele não gostava do resultado”, observa André Lemos, técnico da AssociaçãoTubaronense de Natação.

Com o treinamento psicológico, a evolução de Pedro foisignificativa. Não só em número de medalhas, mas também no relacionamento com otreinador. “Consegui chegar bem mais longe”, revela o nadador. Segundo André, ogaroto passou a ouvir mais os conselhos técnicos e aprendeu a lidar melhor comsituações inesperadas e frustrações.

 

Humilde e orgulhoso

Neste cenário de sucesso, existem atletas que não sabemlidar com o orgulho e a humildade. Em vista disso, o psicólogo esportivoGrasiane de Oliveira explica a importância de entender o conceito dos dois paramanter o alto rendimento. “Sentir-se orgulhoso superior aos outros é diferentede você sentir orgulho de quem é. Isso é positivo. Agora, ser humilde é vocêacreditar na sua capacidade e ter confiança no seu trabalho, sem abaixarninguém. Diferente de se humilhar, enxergando-se inferior aos demais”, afirma.

Assim é preciso lembrar que para se tornar campeão é precisoaperfeiçoar quatro pilares do esporte: o aspecto tático, físico, técnico epsicológico. O atleta que unifica esses elementos certamente realizará ossonhos, mesmo diante das mais difíceis dificuldades.