Marco Antonio Mendes
Tubarão

Amigos, amigos, negócios à parte. Foi mais ou menos isso que o técnico da Malwee, Fernando Ferreti, quis dizer ontem à noite, assim que chegou ao ginásio Salgadão com todo o time para treinar. Grande amigo do treinador da Unisul/Seguridade/Penalty, Paulinho Gambier, o comandante da equipe do norte do estado avisou que a relação fica fora da quadra.

“Temos uma forte amizade. Trabalhamos juntos em diversas oportunidades, inclusive fora do país. Mas a nossa equipe veio para cá em busca da classificação”, anunciava. Paulinho e Ferreti implantaram o futsal na Guatemala em 2000. O treinador da Unisul foi diversas vezes auxiliar técnico (e jogador) de Ferreti.

“Eu me orgulho do trabalho que ele faz aqui. Se a Unisul surpreendeu a todos nesta temporada, a mim não surpreendeu. Eu sabia da capacidade dele e dos jogadores que o clube contratou. Mas se depender de mim, eles param no sábado”, brincou Ferreti, torcendo para que haja um terceiro confronto.
Os comandantes das duas equipes encontraram-se rapidamente antes do treino da Malwee, que foi a portas fechadas. A Unisul, em contrapartida, está em concentração desde a tarde de ontem.

Paulinho Gambier quer que o time tubaronense entre em quadra mais forte, afinal, precisa da vitória. “Temos que mostrar o porquê chegamos até aqui. Não acho que fizemos um péssimo jogo, foi uma partida atípica”, relata o treinador, referindo-se ao confronto de ida, segunda-feira à noite, quando o time de Tubarão perdeu para a Malwee por 8 a 2.

O jogo de volta entre a Unisul e os jaraguaenses será esta noite, às 19h20min, no ginásio Salgadão. Se a Malwee, que não tem desfalques, conseguir no mínimo um empate, passará às semifinais. Se os tubaronenses (sem Pakito por causa de uma lesão muscular), vencerem, haverá um terceiro jogo, no sábado.