Marco Antonio Mendes
Tubarão

O clima no ginásio Salgadão não era dos melhores na tarde de ontem. Não havia aquelas brincadeiras entre os atletas da Unisul/Seguridade/Penalty e o silêncio quase predominava. Obviamente, nenhum deles respondia que tudo está bem, ao serem cumprimentados. Afinal, quem esperava uma goleada de 8 a 2 sobre a Malwee?
“Imaginávamos que seria um jogo equilibrado, mas foi bem ao contrário. Erramos no começo da partida e demos chances para eles marcarem e souberam aproveitar muito bem”, lamentou o ala Gordo.

O “apagão” sofrido pela equipe nos momentos iniciais, quando deixou o adversário marcar cinco gols em pouco mais de seis minutos, não foi possível ser explicado pelo goleiro Ivan. Segundo ele, os adversários estavam agressivos e a equipe tubaronense perdida em quadra no primeiro período. Foi apenas na parte final que conseguiram segurar os donos da casa.

Comentários em Jaraguá do Sul davam conta de que toda a equipe da Malwee havia recebido um ultimato dos dirigentes do clube momentos antes da partida, e que deveriam fazer de tudo para passar por cima da novata Unisul na terceira fase da Liga Futsal. Os jaraguaenses não fizeram uma boa campanha na segunda fase.
“Talvez isto explique o comportamento deles em quadra. Estavam muito agressivos. Vimos coisas que raramente se vê”, declarou o preparador físico Marco Freitas.

Por outro lado, os trabalhos visando à próxima partida, amanhã, às 19h20min, no Salgadão, possuem apenas um objetivo: vencer, seja qual for o placar. “Temos que nos concentrar. Devemos aproveitar que o jogo será em casa, contar com o apoio da torcida e buscar um resultado positivo”, planeja o treinador Paulinho Gambier.
Se a Unisul vencer, haverá um terceiro jogo, sábado, também em Tubarão, para definir quem vai às semifinais.