Tubarão

Quando chegou ao estádio Aníbal Costa, Conrado ainda não era muito conhecido pelo torcedor, mas precisou de apenas dois jogos para se tornar o xodó dos hercilistas. Tanto que já ganhou até apelido: Cristiano Conrado.

Assim como o cinco vezes vencedor da Bola de Ouro, a média de gols de Conrado é alta. Foram cinco em apenas dois jogos: três diante do Blumenau, na estreia da Copa Santa Catarina e outros dois contra o Metropolitano, nesta quarta-feira. O camisa 9 revelou que nunca teve um início tão bom em um clube. “No Botafogo-SP eu também comecei bem, mas foram três gols. Está sendo um início muito bom para mim, para os meus companheiros, para o clube, mas temos que manter os pés no chão e trabalhar muito, pois o campeonato”, afirma.

Com 1,90 de altura, Conrado tem a bola aérea como um dos trunfos. Tanto que já marcou dois gols de cabeça, um em cada jogo. 

“Eu trabalho bastante a cabeça, pois sou um centroavante de área. Os adversários ficam preocupados e pode surgir a bola para outro companheiro meu. Isso está sendo bem aproveitado e tem que continuar assim”, destaca.

O jogador também mostrou bom desempenho nos pênaltis. Com um número cada vez maior de cobranças desperdiçadas, Conrado vive situação oposta. O centroavante teve três chances e acertou todas. 

“A gente treina sempre. Quem bate está treinando, e isso é muito importante, pois qualquer hora pode surgir um pênalti. Antes do primeiro jogo eu já tinha pedido para o professor, ele aceitou, o grupo aceitou, eu peguei a bola e bati”, revela.

Antes do início da Copa Santa Catarina, a expectativa do torcedor é que Lima fosse o dono absoluto da camisa 9. Com os gols marcados, Conrado espera criar uma disputa sadia pela posição. 

“Estou feliz pelos gols que estou fazendo, ajudando o grupo. Todos apoiando. O Lima fez um grande campeonato estadual, é um excelente jogador. Vai ser uma briga sadia, e quem vai ganhar com isso é o Hercílio. Vamos deixar com o professor Edson escolher. Quem estiver melhor vai para o jogo”, afirma.

Mesmo assim, Conrado garante que pode jogar lado a lado com Lima. 

“Dá sim. Todo mundo quer jogar. É só fazermos um bom trabalho e treinar bastante. Dedicação total pra fazermos um bom campeonato. É muito importante para o clube pois tem vaga na Copa do Brasil”, conta o centroavante de 29 anos, que já vestiu a camisa de times como Botafogo-SP, XV de Piracicaba, Inter de Limeira, União Barbarense, entre outros.

E sobre o apelido, “Cristiano Conrado” soube antes mesmo de voltar a Tubarão depois do jogo em Blumenau. 

“Fiquei sabendo na viagem, no ônibus. Isso é da torcida, é muito bacana. Mas temos que deixar a euforia com eles e focar no nosso trabalho”, completa.