Marco Antonio Mendes
Tubarão

Com uma pitada de ‘inveja’ do Brusque e a sua ascensão meteórica, o presidente do Hercílio Luz, Édio Braz Ricardo, já começa a planejar 2009. Este ano, o time do Vale do Itajaí foi rebaixado do Catarinense da Divisão Principal, mas conseguiu voltar na segunda metade do ano, ao vencer a Divisão Especial, competição disputada pelo Hercílio, que não se classificou. De quebra, o Brusque está quase garantido na Série D do Brasileiro do próximo ano.

Seria bom se nós tivéssemos um calendário para o ano todo. Teríamos movimento neste estádio todos os dias. Mas talvez seja melhor assim, pelo menos, não acumulamos dívidas e, no próximo ano, dá para pensarmos em fazer um bom time”, conforma-se o presidente do clube tubaronense.

Apesar do ano não glorioso no retorno ao futebol profissional (o Hercílio Luz não chegou a se classificar às fases finais do Estadual da segunda divisão), o movimento no estádio Anibal Costa não é dos mais fracos. Ainda que haja um pequeno grupo de garotos treinando pelas categorias de base, há uma parte do local que recebe algumas reformas. O clube recebeu, através de carta de captação, recursos do governo estadual para investir em melhorias.

O novo sistema de iluminação está em fase de implantação, há buracos em todo o campo, por onde passarão as tubulações. Aos fundos, são construídos os campos de grama sintética. A intenção é criar um ginásio ao lado.
“Por muito tempo, este lugar ficou abandonado. Fizemos milagre aqui. Revitalizamos e trouxemos o time de volta. Não podemos largar de mão agora”, indica Édio.

Dirigentes em conversas com Grizzo

Para o futebol de 2009, o discurso volta a ser aquele do início do ano: subir à Divisão Principal. A diferença, segundo o presidente Édio Braz Ricardo, é que não haverá parcerias, porque “elas foram as causadoras da má campanha”.
Há conversas com o ex-técnico do Imbituba, Grizzo, e também com Lico, ex-Flamengo na década de 80. O time poderia estrear no Campeonato Citadino como forma de preparação à Divisão Especial.

Após o término do campeonato, Édio havia dito que não continuaria no cargo, mas agora pensa diferente. Mesmo que não seja o presidente em 2009, pretende estar na diretoria. “Em janeiro, vamos montar um conselho para eleger os novos diretores. Queremos que seja alguém que nos ajudou a montar tudo isso porque se for qualquer um tudo pode parar de novo e não é o que queremos”, adianta.