Marco Antonio Mendes
Tubarão

A voz é serena, o jeito é de uma pessoa calma. A missão que Paulo Cunha carrega nos ombros é grande: elevar o Hercílio Luz, já no retorno ao futebol profissional, à Divisão Principal do Catarinense. A tarefa não é das mais simples e não será a sua tranqüilidade que irá interferir.

“Sou muito disciplinador. O jogador comigo é como um funcionário qualquer. É claro que não deixa de ser um colega, mas terá que respeitar a hierarquia”, avisa.
A chegada de Paulo ao Anibal Costa traz certo alívio à diretoria do clube tubaronense. Depois de tantas idas e vindas, com parcerias negociadas mas não firmadas, agora é a vez do Leão do Sul caminhar sozinho. A um mês do início do Estadual, a base começa a ser estruturada.

Ontem mesmo, quando o novo treinador chegou ao estádio, contatos com jogadores já foram sido feitos. “Queremos que, já na próxima segunda-feira, o elenco esteja em treinamento. Se não tivermos todos por aqui, que estejam quase todos, então”, afirma Paulo.

Dentro do Hercílio, segundo o comandante, a pressão para levar o título logo de início não é grande. Para o novo treinador, a maior dificuldade é não ter uma base e, assim, começar do zero. “O meu objetivo é conquistar o campeonato, mas a cobrança não é essa. Sabemos que não será fácil porque há times que foram rebaixados e já estão estruturados. Queremos montar uma equipe para voltar ao futebol com dignidade”, destaca Paulo.