Brackley, Inglaterra

Sete vezes campeão do mundo, o alemão Michael Schumacher agora vai em busca de mais um título na Fórmula 1. O heptacampeão foi anunciado nesta quarta-feira como novo piloto da Mercedes para 2010 e prometeu uma grande temporada. Schumacher anunciou a sua aposentadoria há três anos, mas decidiu voltar.

“Esta equipe ganhou nesta temporada o Mundial de Pilotos e o de Construtores. Nosso objetivo, portanto, só pode ser o campeonato. Será complicado, como se pode comprovar, mas tentaremos”, afirmou o alemão, referindo-se à Brawn GP, campeã do Mundial de Construtores, e Jenson Button, no Mundial de Pilotos.

Schumacher relatou ainda que Ross Brawn, chefe de equipe, entrou em contato com ele no fim de novembro para conversar sobre o seu retorno. Os dois tiveram uma parceria de sucesso na Benetton e na Ferrari. “Na realidade, eu nunca deixei a F-1. E minhas participações em corridas de moto me ajudaram muito também”, explicou.

Retorno do alemão não é caso
único na história do esporte

O retorno de Michael Schumacher à Fórmula 1, após três anos aposentado, não é um caso único na história do esporte. A dúvida entre a continuidade da carreira e a parada definitiva é algo constante nas carreiras de grandes atletas. Alguns foram bem sucedidos em suas voltas e outros não foram tão bem-sucedidos. O maior exemplo disso é o ala-armador Michael Jordan, lenda do basquete, que viveu os dois lados da moeda na NBA.

Jordan aposentou-se do basquete pela primeira vez após o primeiro tricampeonato do Chicago Bulls, em 1993. A morte do pai e a vontade de ficar com a família foram decisivas e ele mudou-se para o beisebol. Em 1995, após passagens pífias no esporte, ele voltou aos Bulls no fim da temporada regular. A partir do ano seguinte, o jogador foi decisivo na conquista do segundo tricampeonato de sua equipe na NBA, quando decidiu abandonar o esporte pela segunda vez, em 1998.