Marco Antonio Mendes
Tubarão

A partir da manhã de hoje, bem cedinho, os atletas tubaronenses começam a embarcar para uma das últimas competições do ano. A 48ª edição dos Jogos Abertos de Santa Catarina (Jasc) será oficialmente iniciada hoje e estende-se até o sábado da próxima semana.

De Tubarão, viajam para Pomerode, Indaial, Timbó e Rio dos Cedros 115 pessoas, entre atletas e dirigentes. Nove modalidades disputarão os confrontos que iniciam apenas amanhã. Entre os que representarão a cidade, estão: ciclismo, judô, atletismo, tiro ao prato, handebol, basquete, futsal, tênis e xadrez.
Os primeiros jogos foram realizados em Brusque, em agosto de 1960. Os grandes campeões são Blumenau, município vencedor de 39 edições, Florianópolis e Joinville, quatro vezes cada uma das cidades. Tubarão foi sede em 1976 e 1993. Para este ano, os números dos Jasc são expressivos. Ao todo, 95 municípios com 4.561 atletas disputarão 41 troféus em 26 modalidades.

Entre as equipes que possuem grandes chances de trazer uma medalha é o futsal, que representará a cidade através da Unisul/Seguridade/Penalty. Concorrentes diretos de Liga Futsal e Campeonato Catarinense, a Malwee e o Joinville serão os principais rivais mais uma vez. “Sabemos que serão partidas de alto nível, bem diferente das outras etapas, mas vamos tentar trazer este título”, diz o treinador do time, Nelsinho Bavier.

Querendo melhorar o desempenho conquistado no ano passado, o pessoal do xadrez viaja com seis atletas que concorrerão com outras 21 cidades. Mesmo que a equipe seja definida como ‘caseira’ pelo treinador Jorge Godóis, a expectativa é ficar entre os cinco melhores.

Alto rendimento de fora
Se por um lado os atletas e dirigentes estão contentes por disputarem em uma competição de alto rendimento, por outro há uma reclamação generalizada: os Jogos Abertos tornaram-se uma máquina de investimentos dos municípios.
Segundo o treinador da equipe tubaronense de judô, Rômulo Luiz da Graça, há grupos com atletas de outros estados brasileiros exclusivamente para os Jasc.

Estes competidores, muitas vezes, nem conhecem as cidades que representam e, para Rômulo, tiram a possibilidade de outros competidores. “No congresso técnico que haverá amanhã (hoje), vou opinar sobre este problema que está se alastrando. São os Jogos Abertos ‘de Santa Catarina’ e não ‘em Santa Catarina’”, reclama.