Tatiana Stock
Tubarão

No Dia dos Pais, mesmo com o tempo feio, cerca de 800 torcedores compareceram ao Estádio Anibal Costa para assistir Hercílio Luz x CFZ. Foi a última rodada do turno da Divisão Especial do Campeonato Catarinense e o time visitante lutava pelo título, que acabou nas mãos do Juventus.
Campo encharcado, dois jogadores machucados e cinco expulsões marcaram o jogo. O placar acabou em 1 a 1.

Alan fez o gol do Imbituba, aos sete minutos, o que animou a torcida, que só sossegou com o empate, que veio dos pés de Renato, no início do segundo tempo.
Marcílio, zagueiro do Imbituba, levou uma pancada no tornozelo e teve que ser retirado. “Ele sofreu uma fratura na tíbia e luxação no tornozelo, com certeza será afastado durante essa temporada”, informou o médico do time, Delni Renato Franz.
No segundo tempo, Indião, do Hercílio, levou um tapa na boca de Vitor Hugo, que foi expulso. Mesmo machucado, o jogador continuou em campo, com um protetor bucal. Para ele, a má condição do gramado prejudicou muito a partida. “O campo estava muito pesado, difícil para fazer passes”, explicou.

O CFZ atacou bastante no segundo tempo, mas não conseguiu driblar as barreiras do goleiro Tiago, que defendeu até os últimos segundos da partida. O técnico do Leão, Arnaldo Lira, culpou o árbitro pelo número de cartões vermelhos. “Não entendi a expulsão de Bugrão, ele deu direto um cartão vermelho, um absurdo”, contesta o novo técnico do Leão.
Mesmo com um jogador a menos, Lira diz já ver melhora no time e avisa que a equipe terá mais mudanças. O árbitro Jefferson Schmidt não quis dar entrevista. Com o empate, o CFZ alcançou 19 pontos, em segundo lugar, e o Hercílio13, em sexto.

Daqui para frente
“Não foi um resultado ruim. Claro que buscávamos a vitória, mas agora é pé no chão e continuar na luta pela vaga. Ainda restam três”, acredita o presidente do CFZ Imbituba, Roberto Rodrigues, o Robertinho.

Programa de família
Na arquibancada, gerações dividiram emoções durante o clássico regional Hercílio Luz x CFZ Imbituba. Foi o caso de Geni Isabel Zeferino da Silva, mãe do jogador Rodrigo Silva, do Leão do Sul. Ela, a nora e os netos – Rodrigo, 3, e Nataly, de um ano e nove meses – torceram do início ao fim. “Sempre vamos aos jogos e hoje (ontem), por ser uma data especial, as crianças vieram dar uma força e homenagear o pai”, diz Geni.