Com a derrota, o Tigre disse adeus à competição. Foto: Criciúma E.C/Notisul
Com a derrota, o Tigre disse adeus à competição. Foto: Criciúma E.C/Notisul

Chapecó

O Criciúma está eliminado do Campeonato Catarinense. Ontem, na Arena Condá, em Chapecó, o Tigre despediu-se da competição estadual ao perder para a Chapecoense por 3 a 1. O confronto foi válido pela nona e última rodada do returno do Catarinense.

Com a derrota, o Tigre fecha o returno na quarta colocação, com 15 pontos. Continuam na luta pelo título do Catarinense Figueirense, Joinville, Chapecoense e Avaí.
A Chapecoense abriu o placar aos 11 minutos. Athos foi lançado em velocidade e tocou na saída do goleiro Michel Alves. O segundo gol dos donos da casa veio aos 30 minutos. Athos cruzou na área e Eber mandou de cabeça para o gol.

Os criciumenses descontaram no segundo tempo, aos 33 minutos, com gol de Cristiano, após chute de fora da área. O Tigre buscou a reação, mas a Chapecoense garantiu a vaga aos 36 minutos, com o gol de Eliomar, em cobrança de pênalti.
Treinador interino do time, Silvio Criciúma avaliou que a equipe poderia ter rendido mais. “Eles decidiam a vaga, vieram com tudo e conduziram o resultado até o fim”, lamentou.

Tigre irá buscar novo treinador

O Criciúma contratará um técnico para a Série B do Campeonato Brasileiro. A derrota para a Chapecoense, por 3 a 1, no Índio Condá, não marcou somente a eliminação no Estadual, mas também a despedida de Sílvio Criciúma do comando do time.
“Em algum momento vocês escutaram alguém dizer que eu era efetivo? Eu não ouvi isso. Sou funcionário do clube e continuo à disposição”, afirmou o ex-treinador interino.

Sílvio lembra que assumiu o time como interino no dia 22 de fevereiro, na vitória por 2 a 1 sobre o Metropolitano. Desde então, foram 14 jogos, com sete vitórias, um empate e seis derrotas. Um aproveitamento de 52,3%.
Toninho Cecílio, o mais cotado e admitido pelo Criciúma para assumir o time, poderá tomar o rumo da Portuguesa. O time paulistano foi rebaixado no Campeonato Paulista e deve demitir Jorginho. Assim, o nome de Lisca ganha ainda mais força. Mauro Ovelha corre por fora na preferência dos dirigentes.