Tubarão

Com expectativa de 600 participantes, a etapa de Tubarão do Circuito de Corrida Unimed Santa Catarina, que ocorre no dia 23 de setembro, segue recebendo as inscrições que podem ser feitas no site www.circuitodecorridaunimed.com.br

O Circuito, que acontece pelo sexto ano consecutivo, terá o resultado financeiro da corrida, após o pagamento dos custos, destinado ao Asilo dos Velhinhos e ao Lar da Menina. Os duzentos primeiros atletas que participarem de seis das 18 provas ganharão uma mandala, que é montada com as seis medalhas das etapas. Para ganhar não é necessário correr provas em sequência e não basta apenas se inscrever, a participação é obrigatória.

A busca por uma vida saudável e equilibrada ocupa cada vez mais espaço no cotidiano das pessoas e com o propósito de incentivá-las a superar desafios e mudar seus hábitos é que a Unimed vem promovendo o Corridas Unimed Circuito Santa Catarina. Mais do que apenas competir, o objetivo do Circuito é proporcionar qualidade de vida às pessoas.

A Corrida e a Saúde

Correr faz bem para a saúde em diversos aspectos. A modalidade aumenta o condicionamento físico, fortalece os músculos, ajuda a emagrecer, combate a insônia, auxilia no controle do colesterol e previne a osteoporose. De quebra, segundo o professor e mestre em educação física, Keller Minatto, inunda o organismo com endorfina, hormônio que causa sensação de bem-estar.

“Para obter esses benefícios é preciso tomar alguns cuidados. Se uma pessoa não estiver preparada para correr, pode desenvolver lesões ou, pior ainda, agravar problemas cardíacos pré-existentes”, orienta.

O professor ressalta que pessoas sedentárias ou com doenças crônicas, como hipertensão e diabetes, devem fazer teste ergométrico antes de resolver correr. O exame é uma avaliação cardiológica feita por um teste de esforço para identificar como o corpo reage ao exercício. Dependendo do resultado, o postulante a corredor pode precisar de acompanhamento médico para depois ser liberado à praticar a corrida.

A preparação também inclui um trabalho de fortalecimento muscular, principalmente nas pernas e na região do core, que compreende o abdômen e a lombar. “A cada salto que se dá na corrida, uma perna precisa suportar duas vezes o peso do corpo. Caso não haja preparação adequada, podem surgir problemas crônicos na coluna, joelhos e tornozelos”, explicou o professor.

O treinamento

Com a musculatura reforçada e tudo devidamente avaliado por um médico, é hora de começar a correr. Mas isso deve ser feito de forma gradativa. O professor Keller Minatto orienta que a maneira mais eficiente é alterar caminhada e corrida mantendo uma rotina de treino. Correr 15 minutos cinco vezes por semana ou 30 minutos três vezes por semana, pode surtir efeito em apenas 15 dias.

Keller lembra da necessidade de se fazer, no mínimo, três sessões de alongamento por semana como forma de melhorar a mobilidade articular e a flexibilidade, evitando lesões. Ainda orienta que exagerar na intensidade da corrida não é a melhor forma de começar na modalidade. “O ideal é estabelecer o limite de 70% da frequência cardíaca máxima. Pode parecer monótono no começo, mas, conforme os treinos evoluem, a pessoa consegue correr num ritmo mais forte sem que a frequência cardíaca suba muito”, conclui.