Marco Antonio Mendes
Tubarão

Mais de 50% da equipe do Atlético Tubarão mudará de cara para a etapa decisiva do Campeonato Catarinense da Divisão Principal. Desde o início da competição, alguns jogadores já foram dispensados, outros contratados e alguns nem chegaram a estrear.
Uma lista de oito atletas dispensados foi anunciada ontem pela diretoria do clube, que já havia pensado nos nomes antes mesmo do trágico confronto com o Brusque, no último domingo, em casa. A ideia do presidente Pedro Almeida, do diretor de futebol Robertinho Rodrigues e companhia é não se desesperar. Eles apenas querem trabalhar para que o time não volte a sofrer o quase triste destino do ano passando, quando apenas no último jogo escapou do rebaixamento.

Entre aqueles que deixam Tubarão, estão os meios-campos Felipe Castellani, Cléber e Juninho; os zagueiros Hélder e Mauro; o volante Douglas; o lateral-esquerdo Luciano e o atacante Leonardo. Com o decorrer do returno, outros podem deixar o time.
“Não dei sorte. Sempre fui de trabalhar de forma transparente e ser sincero com todos. Mas não foram sinceros comigo”, desabafou o Robertinho Rodrigues sobre as parcerias cariocas, em entrevista coletiva na tarde de ontem. Segundo o dirigente, ele confiou, principalmente, no ex-técnico Marcelo Cabo, que apenas deixou uma herança desastrosa para a cidade.

Para tentar reverter o quadro drástico de apenas ter somado quatro pontos em nove jogos e estar na zona de rebaixamento desde o início do Estadual, algumas contratações começam a chegar ao Estádio Domingos Gonzales. O atacante Sandro Silva é uma das novas apostas do clube, assim como os volantes Benson e Neto. Uma lista de quatro nomes é analisada: Washington, Mota, Cafu e Grafite. Um garoto da equipe júnior do Avaí, o meia Samuel Santana, passará por testes durante a semana.

“Nós não podemos deixar o clube cair”

A tarde de ontem foi de desabafo para os dirigentes do Atlético Tubarão, que não deixaram de invejar times como o Brusque e o Atlético de Ibirama, que fazem boa campanha no Catarinense.
“Falta termos uma camisa 10 e um capitão no nosso time. Teremos que arrumar dinheiro de uma forma ou de outra para contratarmos estes jogadores que faltam. Não podemos deixar o clube cair para a segunda divisão”, disse o presidente Pedro Almeida.

Um dos únicos pontos positivos levantados pelos dirigentes, na entrevista coletiva ontem à tarde, é a presença do torcedor no estádio. “É bom ver que, mesmo com essa campanha, as pessoas continuam indo aos jogos. O torcedor está fazendo a sua parte e nós tentamos fazer a nossa”, comentou o diretor de futebol Robertinho Rodrigues.
O dirigente ainda deixou claro que, se por algum motivo, o Atlético Tubarão não continuar na elite do futebol catarinense no próximo ano, continuará a trabalhar pelo clube.

“Se cair, é aí que fico no Atlético Tubarão até fazer a equipe subir de novo”, garantiu Robertinho, evitando especulações de que estaria em negociações com o Hercílio Luz.
A diretoria tenta negociar com o Figueirense e a Federação Catarinense de Futebol (FCF) a antecipação do primeiro jogo do returno para sábado, uma vez que está marcado para o domingo de Carnaval.