Maycon Vianna
Tubarão

A tarde de ontem foi de despedida para o técnico do Atlético Tubarão, Marcelo Cabo. Após a reunião com alguns diretores, por volta das 14 horas, e depois de ficar pouco mais de 30 dias no comando do time (com uma vitória, um empate e duas derrotas), o treinador ‘soltou o verbo’ contra a falta de estrutura do clube. “Simplesmente, tudo o que foi planejado não foi executado. Desejo sorte aos jogadores e ao Atlético Tubarão, mas do jeito que está, não dava para continuar”, afirma Marcelo.

Ele também reclamou das especulações, todos os dias, de que a diretoria estava em busca de outro treinador. “Chegava sempre dois nos meus ouvidos. Imagine trabalhar pressionado por integrantes do clube. Era impossível continuar”, desabafa Marcelo.
As outras reclamações estão relacionadas a assuntos internos. Grama sem cortar, apenas oito bolas para treinar e dinheiro investido de maneira errada. “Cheguei a pagar inscrição de atleta na Federação Catarinense de Futebol (FCF) com dinheiro do meu bolso”, revela.

A falta de reforços também motivou o treinador a pedir demissão. “O clube não tem condições de contratar. Os salários já estão com atraso. Não temos estrutura de trabalho. No jogo contra o Avaí, teve atleta que não conseguiu dormir por dois dias por causa de mosquitos e do calor na concentração”, esbraveja.
O diretor de futebol do Atlético Tubarão, Roberto Rodrigues, lamenta a saída do amigo, mas entende a posição do profissional. “Ele mostrou ser leal, com bons princípios. Só que nossas condições de trabalho são problemáticas. Infelizmente, as coisas funcionam assim. Tentaremos resolver as falhas”, lamenta.

Jogadores treinaram sem comandante ontem

O que se viu ontem no gramado do Estádio Domingues Gonzales, ontem no fim da tarde, foi lamentável. Os jogadores já tinham recebido a notícia de que Marcelo Cabo não era mais o técnico. No campo, os atletas não tinham informação de quem assumiria o comando.

“É um assunto interno que será definido pela diretoria. Deveremos aguardar uma posição oficial. Mas alguém deve assumir o posto como interino”, ressalta o diretor de futebol do Atlético Tubarão, Roberto Rodrigues.
Depois da coletiva de imprensa, ontem, Marcelo Cabo despediu-se do grupo, agradeceu aos jornalistas e à torcida, que souberam respeitar o seu trabalho. “Levarei boas lembranças de Tubarão. Foram dias de muito trabalho, sacrifício pessoal. Mas tudo na vida é um aprendizado”, afirma Marcelo.

Ele deve voltar a trabalhar como funcionário da CBF e passará a observar os adversários do Brasil nas eliminatórias. A diretoria do Atlético Tubarão resolveu não se pronunciar a respeito do novo treinador. O nome de Arnaldo Lira, que teve boa passagem como técnico do Tubarão, é especulado, mas nada foi confirmado pela diretoria.