Criciúma

Seguir ‘vivo’ no Campeonato Catarinense não será fácil para o Criciúma nesta rodada do quadrangular. A derrota para o Avaí por 3 a 2 em pleno Estádio Heriberto Hülse lotado, na última quarta-feira, classificou o adversário para a final e colocou o tricolor do sul do estado em péssimas condições.

Após a vitória do Joinville sobre a Chapecoense, na Arena, o Tigre agora depende apenas de si para chegar à decisão do estadual. Neste caso, dependerá de vitórias contra Chapecoense, neste domingo de Páscoa, no Estádio Índio Condá, em frente ao Joinville, em casa, para se credenciar a pegar o Avaí na finalíssima.
Não chegar à final praticamente exclui o Tigre da Copa do Brasil. Só restaria, nesta hipótese, uma pequena esperança de ser premiado com uma vaga via ranking da CBF, no qual o tricolor está em trigésimo segundo lugar.

Os jogadores reapresentaram-se ainda na manhã de quinta-feira. Aqueles que não atuaram na derrota para o Avaí trabalharam no CT com o técnico Leandro Machado, enquanto os demais fizeram revisão médica, massagens e tratamento regenerativo com gelo no vestiário.

A maior preocupação para o jogo decisivo de domingo é o zagueiro Josemar, que levou uma pancada no tornozelo esquerdo e acabou substituído durante a partida. O jogador já havia sofrido a lesão no jogo anterior contra o Avaí, na Ressacada. O zagueiro Anderson Kanu é a opção, caso Josemar não tenha condições.

O último treino será realizado na manhã deste sábado. A delegação viaja em ônibus locado para Florianópolis após o almoço, pois o voo para Chapecó é à tarde. O ônibus do Tigre com o todo material esportivo já foi para o oeste do estado.