O técnico Rafaelli Graniti orientou ontem os jogadores no último treino antes do confronto contra o Brusque.
O técnico Rafaelli Graniti orientou ontem os jogadores no último treino antes do confronto contra o Brusque.

Maycon Vianna
Tubarão

Enfim, a última partida. Um alívio para os torcedores e também para grande parte da diretoria do Atlético Tubarão. O Peixe entra em campo na noite de hoje, no Estádio Augusto Bauer, em Brusque, para o último confronto pela Divisão Principal do Campeonato Catarinense. Ao todo, foram apenas uma vitória e dois empates, o que traz o melancólico índice de cinco pontos conquistados.

“Para uma equipe ser vitoriosa, é preciso planejamento. Foi aí que o Atlético pecou. Não tivemos nenhum tipo de planos ou metas para o campeonato. A equipe trouxe resultados ruins, apesar de ter feitos bons jogos, principalmente contra a Chapecoense, em casa”, relata o técnico Rafaelli Graniti.
Para o confronto de hoje, que não soma nada para a estadual (o time do sul está rebaixado e o Brusque não cai e também não tem chances de classificação para a próxima etapa).

O treinador deve optar pelo esquema de três zagueiros, mas pode oscilar durante o jogo no 4-4-2, pouco utilizado no decorrer do estadual. Para o jogador Rocha, a grande dificuldade encontrada pelos atletas do Atlético Tubarão foi não conhecer as manhas de jogar o Catarinense. “Temos campos mais pesados, o jogo aqui é mais pegado, de contato. Vários jogadores são do Rio de Janeiro e chegaram em cima da hora. Talvez, não houve tempo necessário e adequado para a preparação do elenco”, analisa.

Ainda segundo o técnico do clube tubaronense, a falta de reforços foi um dos principais motivos para o fraco desempenho da equipe no decorrer do estadual. “Pedimos reforços. Infelizmente, eles não vieram”, relata Graniti.