Maycon Vianna
Tubarão

De nada adiantou todo o esquema de motivação para o clássico da tarde do último sábado, contra o Criciúma, no Estádio Heriberto Hülse. Os torcedores do Tigre, que diziam que o Peixe seria goleado tinham toda a razão. O Atlético Tubarão não foi páreo para o forte Criciúma dentro de casa. “Até tentamos usar a gozação para incentivar. Mas do que adianta? A equipe apresentou os mesmos problemas dos confrontos anteriores, pouco utilizou a bola no chão e, nas jogadas aéreas, perdemos quase todas”, relata o técnico Rafaelli Graniti.

Para o último desafio do Peixe no Campeonato Catarinense, o treinador deve repetir o esquema tático 3-5-2, que não correspondeu ao longo do estadual.
“Não vale a pena mexer do padrão de jogo na última partida da equipe. Agora, é buscar honrar os compromissos para encerrarmos o campeonato e a diretoria iniciar um novo planejamento”, destaca Graniti.

O jogo final do Atlético Tubarão no estadual é contra o Brusque, amanhã, às 20h30min, no Estádio Augusto Bauer, em Blumenau.
A diretoria do clube tubaronense planeja uma reunião, ainda esta semana, para definir o futuro da equipe. “Sabemos que os juniores voltarão à ativa, até porque o Atlético Tubarão não pode parar. Depois, veremos a questão dos contratos dos titulares e também a situação de cada atleta”, afirma o diretor de esportes, Robertinho.

A folha salarial do time do sul gira em torno de R$ 40 mil mensais. Segundo o técnico, o valor pode ter atrapalhado na estruturação para o restante do primeiro semestre. “Não adianta fazer limonada com laranja. Jogamos com aquilo que temos. Logicamente, faltam algumas peças. Mas do que adianta reclamar quando falta um jogo para terminar o estadual?”, lamenta.
Já o time do Brusque, que perdeu fim de semana para o Metropolitano, por 3 a 1, no Estádio do Sesi, vai para o jogo apenas para cumprir tabela, pois não tem expectativa de classificação e nem de rebaixamento.