Entrosamento. Palavra fundamental dentro do esporte coletivo. Quanto maior ele for, maior será a vantagem frente aos desafios que o time precisa enfrentar. Para conquistá-lo, o caminho compreende somente uma direção: treinar em conjunto – seja por dias, meses e até anos. Com um time misto, formado por atletas antigos e novos, o basquete masculino de Tubarão vivia uma fase de autoconhecimento, troca de laços e novas amizades, antes da pausa obrigatória por conta da pandemia da Covid-19.

Ao ver a impossibilidade de promover os treinos em grupo, a treinadora Angelita Bruning conversou com os jogadores, que logo compreenderam a situação. “Embora eles estejam ansiosos para voltar às quadras, têm entendido e se comprometeram a continuar treinando em casa”, afirma a técnica. O treinamento é funcional, em que se usa o peso do próprio corpo, como burpees, abdominais, pranchas isométricas, entre outros movimentos. Mas a professora também se preocupa com a parte específica. “Como no basquete exige muita impulsão, passei bastante treino com saltos e também fortalecimento de panturrilha”, completa.

Os atletas Alan e Luan Konig, por exemplo, são gêmeos e acabam cobrando um do outro para continuar firme nas atividades dentro de casa. Diariamente eles treinam juntos e são inspiração para os demais integrantes da categoria sub-15. Da mesma forma, o jogador do time sub-17 Kyle Almeida segue as orientações e até trouxe o irmão caçula para se exercitar junto, mesmo ele não sendo atleta ainda. E durante a semana, todos os integrantes da equipe de basquete tem outra missão a ser cumprida.

Para manter a garotada ligada em novas táticas, Angelita comenta movimentação e jogadas de algum vídeo. “Utilizo bastante o Instagram @tribunadobasquete, pois faz o detalhamento da leitura de jogo, análise tática, etc. Temos discutido essas questões diretamente no WhatsApp”, finaliza. É importante lembrar que a equipe conta o apoio da Prefeitura de Tubarão, através da Fundação Municipal de Esporte, com o auxílio do Bolsa Atleta e Técnico