Paulinho Sachetti
Tubarão

No jogo em que era para ser a primeira vitória no Campeonato Catarinense, o árbitro criciumense José Nasareno Marcelino deu um jeito de estragar a festa do Peixe, ontem à tarde, no estádio da Vila, na segunda rodada do returno, ao permitir o empate do Marcílio Dias, depois de anotar duas penalidades para o marinheiro, que só ele viu.

O jogo acabou empatado em 2 a 2 e com muita gente indignada com a sua péssima atuação. Para sair do campo, ele precisou ser escoltado por mais de dez policiais militares. Além de estar acima do peso, o árbitro errou bastante desde o começo do jogo.
O Atlético Tubarão estava bem na partida e saiu na frente aos 27 minutos do primeiro tempo, com Carlinhos.

Ele marcou de cabeça, depois de uma cobrança de escanteio. O gol animou os jogadores e logo veio o segundo. Aos 32min30seg, o atacante Baiano, também de cabeça, ampliou para 2 a 0, ao colocar a bola no ângulo direito do goleiro adversário.

A torcida incentivava e o time tratava de partir para o ataque. No finalzinho, o atacante Carlinhos desperdiçou ao chutar uma bola por cima do travessão. No segundo tempo, foi a vez do árbitro criciumense tomar conta, de vez, do espetáculo e estragar toda a alegria na Vila.

Logo aos 11 minutos, só ele viu um pênalti de Mika em cima de um jogador do Marcílio Dias. O meio-campista Claudemir, um dos melhores da equipe adversária, colocou a bola do canto esquerdo do goleiro Paes, que não teve como defender. Ele pulou para o lado oposto.
Mesmo criticado e aparentemente nervoso, o árbitro voltou a errar aos 32min30seg.

A bola bateu no braço esquerdo do zagueiro Deco. Mesmo sem haver a intenção do atleta, ele assinalou infração dentro da área e veio o gol de empate. Mais uma vez, Claudemir chutou no mesmo canto e deu números iguais ao jogo. A torcida e os jogadores protestaram, entretanto, não adiantou muito.