Foto:Divulgação/Notisul
Foto:Divulgação/Notisul

Kalil de Oliveira
Tubarão

Tem 51 artigos o Projeto de Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO) analisado na Câmara de Vereadores de Imbituba ontem à noite. Na próxima segunda-feira, os edis devem concluir os debates, em segunda votação. 

Enquanto isso, em Tubarão, os representantes do povo mantêm suspense sobre a previsão dos gastos do legislativo para 2017. A pauta da noite de ontem tratava de quatro projetos na ordem do dia, entre eles dois de iniciativa do executivo, sobre gestão dos resíduos sólidos e nova redação de uma lei. 

Para integrantes do Observatório Social, a demora é estratégica. O grupo pressiona os edis por uma LDO de R$ 4 milhões a menos que o orçamento do ano passado (R$ 10 milhões) e até montou um placar para colher assinaturas. 

Ontem, cerca de 50 pessoas acompanharam a sessão. “Se a gente não tivesse feito nada, eles teriam aprovado um orçamento de R$ 11 milhões. Pelo que os vereadores estão falando, agora estão calculando para poder manter um assessor e votam somente no dia 29”, destaca Olavo Nunes, do Movimento Brasil Livre.

Pelo levantamento dos manifestantes, 12 dos 17 vereadores já decidiram pela redução dos gastos. Atualmente, cada vereador tem direito a três assessores. Por lei, o prazo para definir um valor para o orçamento encerra dia 30 deste mês. A próxima sessão será na quinta-feira pela manhã.