O prédio da Gráfica Coan, no bairro Revoredo, em Tubarão, foi atingido pelas telhas que voaram de um estabelecimento do outro lado da rua
O prédio da Gráfica Coan, no bairro Revoredo, em Tubarão, foi atingido pelas telhas que voaram de um estabelecimento do outro lado da rua

Amanda Menger
Tubarão

O dia de sol e calor convidava a um banho de mar, mas transformou-se em medo e tragédia em Tubarão. No meio da tarde, os termômetros chegaram a marcar 40º C. Por volta das 15 horas, o tempo fechou, e os ventos de 80 quilômetros por hora derrubaram placas, arrancaram árvores, arrebentaram fios elétricos e destelharam casas e estabelecimentos comerciais. Além disso, uma mulher morreu por causa do vendaval.

A agricultora Albertina Sueth Peters Scremin, 55 anos, moradora de Pouso Alto, em Tubarão, foi atingida na cabeça por uma árvore. Ela tinha se abrigado na casa de uma vizinha e voltava para a sua casa quando a planta caiu. Albertina foi levada para o Hospital Nossa Senhora da Conceição (HNSC), mas chegou sem vida ao local. O corpo foi levado para o Instituto Geral de Perícias (IGP) e liberado no início da noite.

Outro caso grave foi registrado em Jaguaruna. Cristiano Cardoso, 35 anos, caiu do telhado e bateu em um muro. Ele teve traumatismo craniano e de coluna. Ele tinha subido no telhado para arrumar as telhas que tinham caído com os ventos. Os bombeiros voluntários de Jaguaruna levaram o homem para o HNSC, em estado grave.

Quatro trabalhadores do Porto de Imbituba tiveram ferimentos leves. O guindaste onde eles estavam chocou-se com outro, impulsionado pelo vento. Os homens bateram na parede da cabine do guindaste onde estavam. Se eles não tivessem colidido no outro aparelho, teriam sido jogados no mar. Paulo Sérgio Oliveira, 28 anos, Laureci Cascaes, 47, Jaílson de Castro Carvalho, 21, e Fábio Luiz, 30, tiveram escoriações e foram atendidos pelos bombeiros de Imbituba (leia mais nas páginas 2, 4 e 14 desta edição).

Orleans
Cerca de 20 funcionários da empresa Baggio Plast (foto), comunidade de KM 92, conseguiram fugir a tempo antes do telhado da empresa desabar. Dois carros foram atingidos e ficaram sob os escombros. Ninguém ficou ferido. O proprietário, Jucelino Baggio, acredita em um prejuízo de R$ 1 milhão. Várias casas e galpões foram destelhados parcialmente. O forro de dois postos de gasolina também caíram. As escolas Toneza Cascaes, no centro, e Padre Santos, no bairro Alto Paraná, também foram destelhadas parcialmente. As aulas precisaram ser interrompidas. Várias lojas tiveram as vitrines estilhaçadas com a força do vento. O prefeito Jacinto Redivo (DEM) decretará estado de emergência hoje.

Laguna
O vendaval afetou Laguna por volta das 15h45min. Foram registrados destelhamentos de residências nas comunidades de Cabeçuda, Perrixil, Nova Fazenda e Caputera, regiões próximas à BR-101. Uma família, de Nova Fazenda, está desabrigada. A transmissão de energia na região do Bananal ficou comprometida devido à queda de árvores na rede elétrica.