Karen Novochadlo
Tubarão

Uma medida pouco conhecida pelos brasileiros pode ajudar muita gente a sair do vermelho. A portabilidade do crédito permite que os cidadãos em débito com instituições financeiras transfiram as operações de financiamento ou empréstimo para outras instituições.

“Um dos procedimentos é transferir sua dívida para um banco onde os juros são menores. Você contrai um empréstimo de um banco com juros menores para pagar um financiamento ou até cartão de crédito”, explica a vice-presidenta da Associação das Donas de Casa e dos Consumidores (Adocon) de Tubarão, Reneuza Borba. “Neste tipo de solução, os juros são diferenciados”, acrescenta Reneuza. A portabilidade não tem custo ao consumidor e pode ser bastante vantajosa.

Mas o consumidor deve ficar atento a detalhes. Antes de aceitar qualquer oferta, é importante prestar a atenção nas cláusulas do contrato. Segundo a pesquisa nacional de endividamento e inadimplência do consumidor, feita pela Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo, 64,2% das famílias declaram-se endividadas em maio deste ano.

Hoje, a modalidade que enfrenta maior dificuldade para se realizar a portabilidade é o setor imobiliário. Na troca de instituições financeiras, é preciso emitir novamente certidões de cartório de imóveis e hipoteca com o banco. A portabilidade, apesar de não ser muito conhecida, foi criada em 2006. O objetivo era provocar maior concorrência entre os bancos.