Priscila Alano
Tubarão

Depois de algumas semanas agitadas no cenário político catarinense, principalmente envolvendo o PMDB, os nomes dos candidatos começam a ser definidos. Neste fim de semana, foi confirmada a coligação entre o PMDB e o DEM. Agora só salta o sim do PSDB para a reedição da tríplice aliança. Outros partidos devem integrar a coligação: PTB, PRTB, PSC e PHS. Os tucanos e o PPS realizam as suas convenções nesta quarta-feira.

Na convenção do PMDB, sábado, em Florianópolis, foi aprovada a aliança com os democratas, que indicou Eduardo Moreira (PMDB) como vice de Raimundo Colombo (DEM) e Luiz Henrique da Silveira (PMDB) ao senado. A proposta de coligação foi aprovada com 288 dos 425 votos. O senador e pré-candidato a governador Raimundo Colombo, após o encerramento da convenção dos democratas, participou da convenção dos peemedebistas e fez o primeiro discurso em tom de campanha.

O presidente do PMDB e candidato a vice-governador, Eduardo Moreira, afirma que ficou satisfeito com o resultado e esta semana conversará com outros partidos para integrar a coligação na chapa proporcional. “Prevaleceu a decisão do partido. Antes, era uma opinião minha, mas agora 70% optou pela coligação”, comemora Moreira.

Porém, o diretório nacional do PMDB ameaça intervir na decisão catarinense, já que a coligação com o DEM foi confirmada. “A intervenção nacional legalmente não é possível, pois a aliança foi aprovada pela maioria dos correligionários”, justifica Eduardo.

Os democratas apenas homologaram a candidatura de Raimundo Colombo para o governo. Quanto às vagas ao senado, depende da confirmação da aliança com o PSDB.

PSDB e PDT são as ‘noivas’ disputadas
Os partidos PSDB e PDT serão as ‘noivas’ disputadas esta semana. Os tucanos analisam se apoiam os progressistas e ou se dizem sim a tríplice. Os brizolistas também estudam propostas do PP e PT.

A convenção dos tucanos ocorre nesta quarta-feira. Cogita-se que o PSDB incline a apoiar o DEM e o PMDB. O deputado federal Paulo Bauer (PSDB), disputaria a segunda ao senado. O presidente estadual do PSDB, Beto Martins, explica que o desejo é por uma candidatura própria. Mas duas questões são analisadas: a responsabilidade de manter a aliança de sete anos, e dar o melhor palanque ao pré-candidato à presidência, José Serra. “Não queremos ser apontados como os responsáveis pelo rompimento da tríplice aliança. O partido não está fechado 100%, há uma ala que deseja a coligação com os progressistas”, revela Beto. Hoje à noite, o partido estará reunido para avaliar as situações e definir as estratégias para a convenção nesta quarta-feira.

Já o PDT, aguardará até quarta-feira, apesar de ter realizado a sua convenção sábado. Para o partido, há duas possibilidades: apoiar o PP ou o PT. O mais provável é que fechem a aliança com os progressistas. Entre os nomes mais cotados para vice, está o presidente Manoel Dias. O pré-candidato a deputado estadual Rodrigo Minotto explica que o partido aguarda as definições das alianças para manifestar a sua posição. “A nossa proposta é realizar políticas públicas em prol dos catarinenses”, afirma Rodrigo.

Progressistas aguardam respostas do PDT e PSDB
A convenção dos progressistas foi a mais tranquila e festiva. Para o partido, há duas possibilidades: sair em chapa pura ou compor com PSDB ou PT. As definições devem ocorrer quarta-feira.

Se lançar chapa pura, o partido sairá para o governo com Ângela Amin, o empresário Moacir Thomazzi, de Joinville, será o candidato a vice, e Esperidião Amin e Hugo Biel disputarão as vagas para o senado. Caso ocorra uma aliança, a vaga para vice fica em aberto e Esperidião abrirá mão do senado e disputa uma vaga para deputado federal. O presidente estadual do PP, Joares Ponticelli, afirma que o partido está aberto para negociações e não descarta nem o PT. “O prazo é até quarta-feira. Até lá, vamos conversar com os partidos para chegar a um consenso”, afirma Joares.

A data final para homologação dos candidatos a presidente, governador, senador e deputados federal e estadual é esta quarta. Depois das convenções, os partidos e coligações têm até a próxima segunda-feira para realizar o registro das candidaturas.

Propaganda eleitoral
De acordo com a resolução n° 23.191, do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), a propaganda eleitoral somente será permitida a partir do próximo dia 6.