Treze de Maio

O Dia de Nossa Senhora Aparecida, celebrado ontem, marcou o início do Ano Mariano, instituído pela Confederação dos Bispos do Brasil (CNBB), que levará à comemoração do tricentenário da aparição da imagem de Nossa Senhora no rio Paraíba do Sul, em Aparecida (SP). Com esse nome, aliás, é a segunda maior devoção de Nossa Senhora no mundo, depois de Guadalupe, no México.

“Não se trata do encontro de uma imagem milagrosa, como as pessoas às vezes dizem quando não há uma catequese bem feita, mas um sinal de Deus. A catequese bem feita nos faz perceber isso. A imagem, por si, não pode dar o milagre, mas é Deus quem nos concede todos os dons e graças”, ensina o padre Sérgio Jeremias, de Tubarão.

Segundo ele, o encontro foi importante como um carinho de Deus para com os brasileiros. “Nestes quase 300 anos, quantas pessoas encontraram para suas vidas o maior de todos os milagres que é a conversão interior? O maior milagre não é tanto aquilo que foi conquistado, simbolizado nas muletas, os quadros e milhares de fotografias que estão lá. É a conversão interior”, analisa.

Desde o início da manhã de ontem, todas as igrejas católicas no Brasil celebraram a data com liturgias diferenciadas. Às 8h30min, no bairro Oficinas, na Cidade Azul, celebrou-se a primeira missa. Às 19 horas uma procissão iluminada encerrou a programação, no entorno da Praça da Igreja Matriz São José Operário. Uma oportunidade das pessoas pagarem promessas, fazerem seus pedidos e agradecerem. 

Muita fé
Erguida no alto da Colina Nossa Senhora Aparecida, no bairro São João de Urussanga Baixa, a oito quilômetros do centro de Treze de Maio, o monumento em homenagem à Nossa Senhora recebe, todos os anos, pelo menos 50 mil pessoas no feriado. Foi o que ocorreu ontem. A imagem foi erguida em nome da fé de Maria Cechinel Niero. Cumprindo uma promessa, a devota pediu que fosse construída uma pequena gruta no local. Dias depois, Maria morreu, mas os filhos resolveram atender ao pedido. Em 1969 concluíram a grutinha.

Anos mais tarde, um neto de Maria resolveu construir a atual imagem. A fé dos moradores fez a comunidade se unir, buscando fundos por meio de rifas, festas e doações. As obras foram concluídas em 10 de outubro de 1999. Desde então, os devotos pagam promessas e pedem graças.