Karen Novochadlo
Tubarão

Caso a municipalização seja aprovada pela prefeitura de Tubarão, as escolas Martinho Ghizzo, no bairro Passagem, Fábio Silva e Angélica Cabral, em São Bernardo, poderão iniciar o próximo ano sob o comando do município. Ao todo, serão absorvidos 729 estudantes.

“Teremos uma audiência para debater a questão na próxima quinta-feira”, explica o secretário da educação, Felipe Felisbino. Na última semana, foi protocolado um ofício na pasta de educação do estado, no qual constava que a prefeitura faria a junção no mesmo prédio dos Centros de Educação Infantil (CEIs) e escolas que estivessem no mesmo bairro, desde que comportem o número de alunos.

Felisbino afirmou ao Notisul que os centros não serão integrados às três escolas municipalizadas. No Fábio Silva, será lançada uma licitação para a construção de um CEI.
No Martinho Ghizzo, a ideia é construir um complexo educacional. O estado irá ceder o terreno e o Centro Social, que será reformado no próximo ano. As reformas não começaram porque a licitação foi cancelada – a escritura do terreno está no nome do estado e havia erros no projeto. “Queremos que o complexo tenha pista de skate, campo de futebol”, adianta o secretário.

Talvez, o CEI Bem Me Quer, próximo à escola Angélica Cabral, seja fechado devido à pouca quantidade de alunos. Somente 27 crianças estão matriculadas para o próximo ano. Hoje, são 40. A municipalização ocorreria gradativamente. Os professores do estado não seriam repassados para a prefeitura. O Sindicato dos Trabalhadores em Educação (Sinte) em Tubarão fez uma reunião ontem para tratar do assunto e estudar as próximas ações. A entidade posiciona-se contrário à municipalização.