Zahyra Mattar
Armazém

A câmara de vereadores de Armazém deverá instaurar uma Comissão Especial de Inquérito (CEI) para investigar denúncias de supostas irregularidades em três linhas do transporte escolar do município. Uma nota fiscal, datada de 30 de abril, no valor de R$ 8.117,28, foi mostrada. Conforme a denúncia, o valor corresponderia ao pagamento do transporte escolar de apenas três linhas: no bairro Bom Jesus, no Barro Vermelho e no São José. Na primeira, o transporte seria feito pela prefeitura. Nas outras duas, o serviço não seria prestado.

Além disso, do valor total da nota, R$ 1.812,35 seriam dispensados para disponibilizar os ônibus somente para estas três comunidades. Conforme informações da prefeitura de Armazém, o valor total da nota mostrada na câmara refere-se ao mês de abril inteiro e está correto.

O executivo informou ainda que os ônibus que faziam o trajeto nestas três comunidades estavam no conserto (um foi batido e o outro teve o motor fundido). Desta forma, a empresa vencedora da licitação, e que presta serviço de transporte ao município, foi contratada também para efetuar mais estas três linhas. O acréscimo no valor mensal foi de R$ 99,39.

Segundo dados da prefeitura, em meses normais, são empregados R$ 8.017,89 para efetuar o transporte escolar. “Não poderia deixar as três comunidades sem transporte. Não fui informado oficialmente da investigação do legislativo. Mas sem problemas, temos tudo documentado”, atesta o prefeito de Armazém, Jaime Wensing (PSDB).