O exame consegue detectar a presença do vírus a partir de amostra de fluido da gengiva ou da bochecha  -  Foto:Divulgação/Notisul
O exame consegue detectar a presença do vírus a partir de amostra de fluido da gengiva ou da bochecha - Foto:Divulgação/Notisul

Jailson Vieira
Tubarão

A uma semana do Dia Mundial de Luta Contra Aids, uma boa notícia para os brasileiros e para aqueles que moram no país. A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) aprovou uma resolução, na qual autoriza a venda de autotestes de HIV em drogarias, farmácias, serviços de saúde e programas de saúde pública para detectar o vírus. Uma análise do Ministério da Saúde apontou que aproximadamente 143 mil brasileiros desconhecem serem portadores do HIV.

O objetivo é que mais pessoas saibam se são portadoras do HIV e inicie o tratamento o mais rápido. De acordo com a presidente da Fundação de Saúde de Tubarão, Tanara Cidade, a iniciativa é importante, porém há uma particularidade que deverá ser analisada.

“Os testes rápidos me preocupam muito. Eles devem ser feitos por meio de profissionais de saúde em um ambiente adequado. Comprá-los em uma farmácia e levar para realizar o teste em casa pode gerar certo desconforto, a reação emocional. Os profissionais de enfermagem estão aptos para isso”, opina.

A norma permite que as empresas que fabricam os testes solicitem o registro para venda dos produtos no país, o que não era possível até a última semana. Não há previsão de quando o produto chegará às farmácias, pois depende da solicitação de registro por empresas interessadas. Em países como os Estados Unidos, Reino Unido e França, já é autorizada a vendas destes testes, de acordo com os representantes da  Anvisa.

Como detectar
O exame consegue detectar a presença do vírus a partir de amostra de fluido da gengiva ou da bochecha. O resultado sai em 30 minutos. Como em testes de gravidez, um risco vermelho indicará negativo; e dois riscos sinalizarão o resultado positivo. Conforme a farmacêutica Deila Mendes, a resolução veio para ajudar, entretanto os autotestes não podem ser vistos de forma banalizada.

Soropositivos na Amurel* 
•2012: 107 novos cadastros. Desses, 80 pacientes novos e o restante pacientes transferidos de outros municípios, com 21 óbitos.
 •2013: 131 novos cadastros no Caes. Desses, 80 pacientes novos e o restante pacientes transferidos de outros municípios, com15 óbitos.
 •2014: 132 novos cadastros no Caes. Desses, 93 pacientes novos e o restante pacientes transferidos de outros municípios, com 18 óbitos.
 •2015: Até 25 de junho, 67 novos cadastros no Caes. Desses, 44 pacientes novos, com nove óbitos.
*Dados do Centro de Atendimento Especializado em Saúde (Caes), em Tubarão.

Normas
• Os produtos deverão conter informações claras que indiquem seu uso seguro e eficaz, incluindo orientações ilustrativas de como fazer o teste e obter ajuda. 
• A norma responsabiliza os produtores no esclarecimento quanto à janela imunológica humana, o intervalo de tempo entre a infecção pelo vírus e a produção de anticorpos no sangue. 
• Empresas deverão disponibilizar um telefone de suporte ao usuário 24 horas, durante os sete dias da semana. Uma embalagem contendo indicação do serviço Disque Saúde do Ministério da Saúde (136) deverá vir junto com o produto. 
• Segundo a Anvisa, o resultado obtido no teste, seja positivo ou negativo, deverá ser confirmado por um serviço de saúde especializado e em testes laboratoriais.
• A agência determinou que o teste rápido não poderá ser utilizado na seleção de doadores em serviços de coleta de sangue.