Tatiana Dornelles e
Amanda Menger

Tubarão

“Foi assustador. Em segundos, tudo estava destruído”, conta, ainda em estado de choque, Arlinda Espíndola de Souza, que teve praticamente toda a casa destruída com o temporal de ontem. No chão e em cima dos móveis, pedaços de tijolos e telhas mostravam a cena de terror passada por ela e a filha, portadora de deficiência.

“Ficamos em um canto da sala para nos proteger. Levantou tudo. Minha filha teve um pequeno corte na cabeça”, relata Arlinda, moradora da Área Verde, em Tubarão, localidade bastante atingida pelos ventos.

Telhas arrancadas, móveis e roupas molhados e dois carros amassados foi o saldo do temporal para a família da manicure Lucimara Zim Sachetti Fortunato. “Foi feio. Ficamos com muito medo. As telhas do vizinho vieram parar na minha casa e o vento levantou parte do telhado”, conta Lucimara.

A força do vento jogou as telhas em diversas direções e parte delas atingiu um Corsa e uma Belina. “Um dos carros ficou bem amassado. Sorte que ninguém se feriu”, observa. Para retirar os cacos de telha, a manicure chamou os parentes para ajudar.

As árvores que ficam em frente à casa de Jaqueline Medeiros quase causaram uma tragédia. Os galhos e parte de uma das árvores que caiu foi parar no pátio da residência. Um portão ficou amassado. “Foi terrível. Molhou vários cômodos, estragou móveis e, por pouco, a árvore não caiu em cima de nós. Já imaginou se isso ocorresse? Todos morreríamos”, avalia a dona de casa.

A costureira Daiane Cristina Belmiro Mendes protegeu o filho de 6 anos e uma outra criança da mesma idade embaixo da mesa. A família mora na rua Celso Camilo Tonelli, próximo à escola municipal Maria Emília Rocha, no bairro Passagem. “Foi um terror. Não sabia se corria ou se salvava as crianças”, relata a costureira.