Zahyra Mattar
Tubarão

Morreu ontem, também em decorrência de uma pneumonia, o homem de 34 anos internado na UTI do Hospital Nossa Senhora da Conceição (HNSC) desde o começo desta semana. O nome dele não foi divulgado pelo hospital e pela Vigilância Epidemiológica da 20ª gerência de saúde em Tubarão a pedido dos familiares.
Quarta-feira, a jovem Noemi Souza Martins Cascaes, 22 anos, também de Tubarão, morreu por conta de uma pneumonia. Ela também estava na UTI do HNSC. Grávida de seis meses, ela perdeu o bebê segunda-feira.

Nos dois casos, foi feita a coleta de material para diagnosticar, ou não, a nova gripe em ambos. Os resultados são aguardados. Caso isso se confirme, estas serão as primeiras duas mortes em decorrência da Influenza A no sul catarinense.
Conforme Helena Maris Lúcio, do setor de imunização da vigilância, será checado o histórico de Noemi e do homem falecido ontem. Segundo os familiares de ambos, eles não se ausentaram do município e não mantiveram contato com ninguém que chegou de viagem do exterior nos últimos dez dias.

A notícia enche ainda mais de pânico a população tubaronense. Há pouco mais de uma semana, o setor de emergência do HNSC teve 50% de aumento no atendimento. A maioria dos pacientes procura o local para fazer o exame e descartar a possibilidade da nova gripe, o que não é possível. O mais importante neste momento, alerta Helena Maris, é não se automedicar e buscar orientação nos postos de saúde da cidade.
No Brasil, os casos multiplicam-se de forma surpreendente. Cogita-se que existam mais de três mil pessoas sejam suspeitas de ter a doença. O número não é confirmado pelo Ministério da Saúde. Ao todo, 34 pessoas morreram no país em decorrência da Influenza A. Destas, 16 eram do Rio Grande do Sul. O estado é o que mais registrou óbitos até agora.

Há outros sete casos
supeitosno HNSC

Desde o começo da pandemia, em maio, Tubarão registrou apenas um caso confirmado. Uma mulher de 26 anos contraiu o vírus A (H1N1) após voltar de a viagem à Argentina, no feriado de Corpus Christi. Atualmente, são 17 casos suspeitos na cidade. Destes, sete estão internados no HNSC. Eles ficam em uma ala de isolamento na instituição e não oferecem perigo de contágio a terceiros.

De todos estes casos suspeitos, apenas um foi descartado. O exame de um homem deu negativo para a gripe A. Todos os outros aguardam os resultados para confirmar, ou não, a doença. Os dez outros pacientes tratam-se em casa e passam bem. Ainda na Amurel, existem três casos suspeitos em Capivari de Baixo, um em Gravatal, um em Jaguaruna, um em Sangão e dois em Santa Rosa de Lima.

Ontem, a Escola Estadual Henrique Fontes adiantou as férias por falta de alunos e professores. Conforme a diretora da instituição de ensino, Fabíola Cechinel, a manobra não está relacionada com qualquer suspeita de nova gripe entre os professores ou alunos. “Temos pessoas gripadas que estão de atestado médico, mas não trata-se de nova gripe. Além disso, as aulas já terminariam amanhã (hoje). Esta informação não procede”, tranquiliza.