Mirna Graciela
Tubarão

O consumo de bebidas alcoólicas nos postos de combustíveis, aliado ao som alto, que perturba dos moradores próximos, é uma reclamação constante. A necessidade de uma fiscalização mais rigorosa foi um dos assuntos da segunda reunião deste ano do Conselho de Segurança de Tubarão (Conset), nesta semana.

Os funcionários dos estabelecimentos orientam seus clientes e a Polícia Militar também está de olho. Mas a situação, muitas vezes, foge do controle. O trabalho tem que ser mais intenso, com o cumprimento integral da Lei dos Bares.
O prefeito Olavio Falchetti e o secretário de segurança e patrimônio da prefeitura, Claudemir da Rosa, estiveram no encontro. Segundo o presidente do Conset, Maurício da Silva, Claudemir comprometeu-se em organizar e adotar medidas para que a lei realmente funcione.

“Não adianta, a solução é uma atuação mais severa, com a aplicação das penalidades previstas para quem a descumprir. Toda lei, para pegar, tem que ter forte fiscalização e doer no bolso”, defende Maurício.
Ele cita como exemplo a catástrofe ocorrida na boate Kiss, em Santa Maria, no Rio Grande do Sul, onde mais de 241 jovens morreram. “Será que nos postos temos que adotar a pedagogia da tragédia? Esperar que algo ruim ocorra para que todos se organizem e a lei seja cumprida?”, indaga Maurício.