Carolina Carradore
Tubarão

A espera é longa para quem precisa de internação no Hospital Nossa Senhora da Conceição (HNSC), em Tubarão. Sem vaga, pacientes aguardam por um leito na sala de observação do setor de emergência. Só ontem, 21 pessoas estavam internados no setor de emergência, à espera de uma vaga.

A causa da superlotação é a de sempre: como o HNSC é referência na Amurel, pacientes de outros municípios procuram a instituição sob a alegação da falta de especialista nos hospitais vizinhos. Atualmente, o hospital de Tubarão tem 320 leitos. Deste total, 80% são ocupados por pacientes do Sistema Único de Saúde (SUS).
“Nossa meta era ocupar 60% pelo SUS e 40% por convênios ou particulares, mas a demanda é muito grande e não conseguimos manter esse índice”, explica a responsável pelo setor de internação, Maria Aparecida Rodrigues. A situação será amenizada após a conclusão da reforma do setor que acomodará pacientes da neurologia. Serão 20 leitos a mais.

Paralelamente, a falta de estrutura em outros hospitais da região, outro problema que incha a emergência do HNSC, é relacionado às internações para a realização de exames. “Há pacientes que são internados porque dizem que irão demorar para receber autorização dos exames nos postos de saúde”, ressalta Maria Aparecida. Para amenizar a situação, o correto seria que estas pessoas procurassem antes os postos de saúde ou os hospitais de sua cidade.

Fila é cada vez maior

Enquanto não há vagas para internação no Hospital Nossa Senhora da Conceição (HNSC), em Tubarão, a fila no setor de emergência só cresce. Desde o início do ano, a média de atendimento aumentou de 200 para 400 consultas diárias. São dois médicos plantonistas e um residente para atender toda a demanda.
A situação poderia ser resolvida se a população procurasse, antes, os postos de saúde de seu bairro ou de sua cidade. “A maioria dos casos é ambulatorial e poderiam ser resolvidos nas unidades de saúde”, recomenda a enfermeira-chefe da emergência, Priscila Fornaza Redivo.

Sem leitos, emergência fica ainda mais lotada

Sem quartos disponíveis, os pacientes que precisam internar-se no Hospital Nossa Senhora da Conceição (HNSC), em Tubarão, são colocados nas salas do setor de emergência. Apesar da boa acomodação, eles acabam por ocupar a vaga de pessoas que precisam ficar em observação. Quando faltam camas, muitos ficam pelos corredores até receber alta.

A situação transforma-se em uma cadeia de problemas, já que a demanda do HNSC é muito superior à real capacidade do hospital. Exemplo é o que não falta. Um deles é do aposentado Osvaldo Florêncio, 75 anos, internado na emergência desde segunda-feira, ele aguarda uma vaga para tratar um problema na perna. “Ele foi muito bem atendido e medicado, está sem dor, mas queríamos transferi-lo para o quarto. Chegamos a pensar em colocar no particular, mas não temos dinheiro”, lamenta a filha de seu Osvaldo, Andréia de Souza Crecêncio.