Rafael Andrade
Tubarão

Um prédio em chamas, vítimas desesperadas, densa fumaça, perigo de desmoronamento. O que fazer? Não há outro caminho a não ser chamar quem entende do assunto: os bombeiros militares. Para manter a forma e testar novos instrumentos, uma mega simulação de resgate em edificações verticais ocorreu ontem em Tubarão.

E para manter a segurança dos envolvidos e não interromper o já caótico trânsito da Cidade Azul, a simulação ocorreu na própria sede do 8º Batalhão do Corpo de Bombeiros Militares (8º BBM), no bairro Humaitá. A torre de observação, de 20 metros de altura – o equivalente a um prédio de sete andares -, foi o cenário para a ação de resgate.

Trinta estudantes da Comissão Municipal do Bem Estar do Menor de Tubarão (Combemtu) acompanharam os trabalhos dos bombeiros. A plateia especial também estava ali para aprender. “Este estudantes integram o projeto estadual de formação de Bombeiros Mirins. Eles também participam de simulações deste gênero. Além de aprender a agir em caso de incêndio ou acidente doméstico”, explica o segundo-tenente Rafael Fortunato Camilo.

Novas macas, específicas para este tipo de salvamento, foram utilizadas no simulado. Técnicas de rapel, tirolesa e amarrações foram praticadas pelos profissionais. Três equipes participaram do simulado: a de combate a incêndio, a de resgate em altura e a de Atendimento Pré-Hospitalar (APH). Ao todo, 16 profissionais participaram do treinamento.