Brasília (DF)

O relatório final da subcomissão sobre drogas, elaborado pela senadora Ana Amélia (PP-RS), será votado amanhã. Além de sugerir várias medidas, o documento propõe alterações na atual legislação. Para combater a disseminação das drogas lícitas, o relatório sugere a proibição da propaganda de bebidas alcoólicas, a restrição da comercialização e o aumento de impostos.

A subcomissão – criada há sete meses – ouviu especialistas, representantes de entidades que atuam na recuperação de dependentes e pessoas que deixaram o vício.
Segundo o presidente da subcomissão, Wellington Dias (PT-PI), trata-se de uma recomendação para a proibição da propaganda de drogas. “Não quer dizer que vamos proibir, mas não podemos estimular. Imagine uma propaganda para o consumo de maconha ou cocaína. Todos achariam um absurdo. Mas veem natural o estímulo a outras drogas”, declarou o presidente da subcomissão.

Abuso de álcool é ainda mais preocupante
O presidente da subcomissão sobre drogas, Wellington Dias (PT-PI), diz que, apesar do aumento do consumo das drogas ilegais, o abuso do álcool é mais preocupante. A Organização Mundial da Saúde (OMS) aponta que é o mais grave dos problemas sobre as drogas em todo o mundo e recomenda que os países adotem, até 2012, políticas para redução do consumo.
Cerca de 1% da população brasileira está envolvida com drogas ilícitas, como maconha, cocaína e crack, enquanto um percentual muito maior – quase 10% – faz uso constante do álcool.