Amanda Menger
Laguna

Em sete municípios da Amurel, os prefeitos foram reeleitos pela população e já traçam as metas para o novo mandato. Em duas cidades, Imbituba e Laguna, a preocupação é com a temporada de verão, em pleno andamento.
Em Imbituba, desde o fim de novembro, o prefeito José Roberto Martins, o Beto (PSDB), esforça-se para fechar com as contas em dia o atual mandato. Diversas medidas foram tomadas, incluindo o corte de gastos com novas contratações, além de economia nas contas de energia e água. No início de 2009, as obras do pacote de calçamento das ruas serão retomados. Das 31 vias, apenas 11 foram concluídas e o cronograma foi prorrogado até o dia 30 de abril.

Na Cidade de Anita, o prefeito reeleito Célio Antônio (PT) precisou antecipar as demissões dos comissionados para encerrar o ano com o caixa saneado. Para 2009, o orçamento municipal é de R$ 68 milhões e prevê investimentos em obras e na ampliação dos programas considerados prioritários como saúde e educação.
Em Gravatal, o início do segundo mandato de Rudinei Fernandes, o Nei (PMDB), será com obras. “Vamos pavimentar a avenida Pedro Zapellini, em Termas do Gravatal. Para isso, temos um convênio com o Ministério do Turismo no valor de R$ 1 milhão para esta obra”, revela o vice-prefeito Tarcisio Marcon Corrêa (PSDB). Ele também será o secretário de saúde da prefeitura.
Convênios e obras também fazem parte dos planos do prefeito reeleito de Sangão, Antônio Mauro Eduardo (PP). “As nossas contas estão em dia e temos vários convênios com o governo federal para pavimentar ruas em diversas áreas do município”, adianta o prefeito.

Em Santa Rosa de Lima, a única alteração no secretariado será o titular da pasta de agricultura. “O atual pediu afastamento para cuidar da propriedade rural. Na próxima semana, vamos definir quem será o novo secretário. As contas estão em dia e, em 2009, vamos enfocar as nossas ações na agricultura”, explica o prefeito reeleito, Celso Heidemann (PP).

A agricultura também será o foco de Arilton Francisconi Cândido, o Xela (PP), prefeito de Treze de Maio. “Temos que dar atenção aos agricultores, afinal, 65% da população vive da produção agrícola. As contas estão em dia e ainda iniciaremos o segundo mandato com R$ 500 mil em caixa e um orçamento estimado em R$ 14 milhões”, revela.
O sétimo prefeito reeleito, Ademir Gesing (PMDB), de São Ludgero, não foi localizado para comentar sobre as suas prioridades para o próximo mandato.

Equipes trabalham lado a lado

Diferente de outros municípios, em que atuais e futuros prefeitos estão ‘em pé de guerra’, em Imaruí a transição é muito mais do que cordial, é feita ombro a ombro.
“O prefeito Braz Guterro (PPS) abriu a prefeitura para nós e permitiu que a nossa equipe trabalhasse lado a lado com a dele. Esse trabalho é feito há uns 20 dias e temos todas as informações que precisamos para começar bem o mandato”, revela o prefeito eleito, Amarildo Matos de Souza (DEM).

O clima é tão amistoso entre os dois que, no momento em que a reportagem fez contato com Amarildo, eles estavam conversando no gabinete. “A transição está tão boa que Braz disse que seu quisesse já poderia assumir”, conta Amarildo, aos risos.
A situação financeira do município é considerada boa. “Ainda estamos fazendo o levantamento contábil, pode ser até que tenha dinheiro em caixa”, adianta Braz.
A relação amistosa também é a tônica da transição em Tubarão. Até mesmo porque o eleito, Dr. Manoel Bertoncini (PSDB), é o sucessor de Carlos Stüpp (PSDB). Um grupo coordenador por Evaldo Tonelli organiza os trabalhos desde o fim de novembro. Evaldo é o único nome do futuro secretariado confirmado. Outras indicações podem ser anunciadas na próxima semana.

O clima ameno também é registrado em Rio Fortuna. As informações foram repassadas e Silvio Heidemann (PP) já definiu o secretariado. Além disso, o atual prefeito, Neri Vandresen (PMDB), entregará a frota renovada. Foram adquiridos, com recursos próprios, dois carros, um trator, uma pá carregadeira e ainda um ônibus 1994 com motor novo.