Em Laguna, as agências devem abrir as portas hoje  -  Foto:Elvis Palma/Divulgação/Notisul
Em Laguna, as agências devem abrir as portas hoje - Foto:Elvis Palma/Divulgação/Notisul

Letícia Matos
Tubarão

Há três semanas, a greve dos bancários foi deflagrada e hoje deve chegar ao fim. O movimento teve a adesão de 61 agências da abrangência da Associação dos Municípios da Região de Laguna (Amurel), mais Lauro Müller e Orleans – um total de 19 cidades e 610 funcionários.

Hoje ocorrerá uma assembleia, às 9 horas, para a apreciação das propostas apresentadas pelos banqueiros. Ao que tudo indica, às 11 horas, as agências estarão com as portas abertas.

De acordo com o presidente do Sindicato dos Bancários da Região de Laguna, Luiz Francisco Cardoso, a tendência é seguir a decisão dos grandes centros. “A proposta dos banqueiros está aquém do que pedimos. O problema é que os sindicatos da CUT estão mais preocupados com o governo do que eu com os funcionários”, destaca. “Provavelmente amanhã (hoje) já encerramos a paralisação”, afirma o presidente do sindicato da região de Tubarão, Armando Machado Filho.

A Federação Nacional dos Bancos (Fenaban) propôs reajuste de 10%. Os bancários pediam a correção dos salários de 16% (com reposição da inflação e 5,7% de ganho real), plano de carreira e piso salarial de R$ 3.299. 

Ano passado, a greve durou sete dias. A categoria pedia um reajuste de 12,5%, um piso salarial de R$ 2.975,49, além de 14º salário, vale-alimentação de R$ 724, vale-cultura de R$ 112,50, mais contratações e combate ao assédio moral.

Estados que rejeitaram a proposta
Os estados de Mato Grosso e Roraima rejeitaram a proposta dos bancos e decidiram manter a greve. Embora a tendência seja de fim da greve em todo o país, a decisão de cada assembleia regional é soberana.