Amanda Menger
Tubarão

Para conseguir firmar o convênio com o Ministério da Saúde e garantir recursos de R$ 1 milhão para a construção do Pronto Atendimento 24 horas de Tubarão, a prefeitura deverá apresentar em até três meses o projeto arquitetônico. E os trabalhos devem começar em breve.

“A secretaria de meios e suprimentos da prefeitura já agiliza a contratação de uma empresa especializada em projetos arquitetônicos de unidades hospitalares e de saúde. Temos três meses para apresentar a planta do PA para firmar o convênio com o Ministério da Saúde e receber os recursos previstos em portaria”, explica o secretário da pasta Roger Augusto Vieira e Silva.

A obra é complexa. “O terreno, como já adiantamos, é onde está hoje a garagem da prefeitura. O projeto precisa ser bem elaborado porque tem um nível de complexidade diferente de uma construção civil normal, tem critérios específicos para serem atendidos e a área também é grande, deverá ter de 800 a mil metros quadrados”, afirma Roger.

Após a apresentação do projeto, vem a confirmação do convênio. “Aí tem um trâmite normal de obras públicas, com licitação e a construção em si. Trabalhamos com a expectativa que esteja concluída a construção no meio do próximo ano. Até lá, teremos muito trabalho com a compra de equipamentos e contratação de profissionais”, adianta o secretário de saúde.

Prefeitura pode firmar parcerias com as comunidades para postos

A rede de postos do programa Estratégia de Saúde da Família (ESF) da prefeitura de Tubarão deve ser ampliada em breve. O exemplo de parceria entre a comunidade do bairro Morrotes e a secretaria de saúde deve ser levada para outras áreas da cidade. No caso, a população entrou com a construção de um posto de saúde e a prefeitura com equipamentos e os profissionais.

“Conversamos com representantes de algumas comunidades e podemos ter novas parcerias. Uma delas, que está bem encaminhada, é a do bairro Monte Castelo. É possível que até o fim de março tenhamos uma equipe trabalhando em salas, que poderão ser disponibilizadas pelo Centro de Atividades Econômicas da Paróquia (Caep). Tivemos uma reunião na última semana e, em breve, eles devem dar uma resposta sobre as salas”, afirma o secretário de saúde, Roger Augusto Vieira e Silva.

Outra comunidade que se mobiliza é a de Santo Antônio de Pádua. “Essa parceria é boa para os dois lados. Facilita o trâmite, porque a comunidade assume as despesas com a construção do espaço ou aluguel de uma casa, e não precisa esperar por licitação e obra pública. A prefeitura entra com os equipamentos e profissionais e, assim, os atendimentos começam mais rápido”, avalia Roger.
Segundo o secretário de saúde, as comunidades interessadas podem procurá-lo para uma reunião. “Tem alguns critérios que precisamos observar, como o número de famílias a serem atendidas. Então, nada melhor do que conversarmos sobre as possibilidades”, propõe Roger.