A aprovação foi acompanhada por várias doulas, gestantes e familiares que comemoraram o resultado da votação  -  Foto:Gilmar Estevam/Câmara de Vereadores de Tubarão/Divulgação/Notisul
A aprovação foi acompanhada por várias doulas, gestantes e familiares que comemoraram o resultado da votação - Foto:Gilmar Estevam/Câmara de Vereadores de Tubarão/Divulgação/Notisul

Silvana Lucas
Tubarão

Depois de ser adiada no início da semana, sobre protesto, a votação do projeto de lei de número 225/2015, que autoriza a presença de doulas nas maternidades de Tubarão, foi aprovada em definitivo ontem. Com 14 votos a favor e três ausências, o público comemorou o resultado.

“O sentimento é de paz, porque agora outras mulheres vão ter acesso aos cuidados de uma doula, como eu estou tendo. Sei que ainda existe muito coisa a fazer para regularizar este trabalho, mas saber que conseguimos, que não vou precisar escolher entre meu marido e elas. Que posso ter os dois ao meu lado na hora do parto é maravilhoso”, comemora a gestante, Tatiana Matias, grávida de sete meses.

A doula Fabíola de Souto destaca que os méritos também desta atual realidade deve-se ao vereador Paulo Henrique Lúcio (PT) que acredita no trabalho desempenhado por elas. 

“O meu filho Davi foi o responsável por eu ter me tornado doula e o professor Paulão por permitir que as mulheres da Cidade Azul possam decidir se querem ter nossa companhia na hora de dar a luz. Toda a gestante tem o direito de ser respeitada, amparada, encorajada e acima de tudo, de ser atendida de forma humana, em um ambiente acolhedor para ela e para seu bebê”, ressalta Fábiola.

O projeto de lei ainda terá adequações quanto a prazos estabelecidos para implantação no município, conforme ficou definido em uma reunião realizada na tarde desta quarta-feira, entre representantes do Hospital Nossa Senhora da Conceição (HNSC), doulas e vereadores.

O que faz uma doula
Atualmente a palavra doula serve para definir a acompanhante que oferece suporte a mulher grávida, afetivamente, fisicamente e emocionalmente, que segue desde a gestação, durante e depois do parto. A origem do significado é grego, ‘mulher que serve’. Antigamente quem realizava os partos eram as parteiras, na atualidade, quase sempre  é realizado em unidades hospitalares, com equipes especializadas, compostas de obstetras, pediatras, enfermeiras e auxiliares de enfermagem. As doulas oferecem assistência à mulher e ao companheiro, com a função de passar segurança e tranquilidade, principalmente no nascimento do bebê. A ela cabe auxiliar a gestante a encontrar posições mais confortáveis para o trabalho de parto, mostrar formas eficientes de respiração, propor medidas naturais para aliviar as dores e outras funções que seguem até orientações durante a amamentação. “Nosso papel é ajudar a família a se encontrar com este novo ser e oferecer orientações sobre todos os cuidados necessários para o desenvolvimento da criança”, ressalta a doula Michele Wanderlind.