Amanda Menger
Laguna

O novo Presídio Regional de Tubarão terá capacidade para 208 detentos. O número pode parecer aquém do necessário, se observado o fato de que, ontem, havia 210 detentos no atual (e o número já bem foi superior diversas vezes). A unidade foi projetada na década de 70, para 60 detentos. O projeto final poderá ter a quantidade modificada, mas o número não deve ser muito maior.

“O prédio será construído por módulos. Cada módulo é uma cela, que terá capacidade para oito presos”, explica o secretário de desenvolvimento regional em Tubarão, César Damiani. Segundo ele, este tipo de construção pode ser facilmente ampliada. “Se houver necessidade, podem ser erguidas mais celas e não acredito que o presídio está mal dimensionado”, avalia. O projeto final será concluído após a escrituração do terreno, no bairro Congonhas, pois é necessário adequar a planta arquitetônica às características da área.

O assessor especial da secretaria estadual de segurança pública e defesa do cidadão, Wilson Silva, afirma que a expectativa é que o presídio tenha mesmo 208 vagas. “O estado está construindo outros seis presídios e o número de vagas aumentará em todo o sistema prisional. Dessa forma, alguns presos que não são da região de Tubarão poderão ser transferidos para as suas regiões de origem”, afirma.

Além desse procedimento, a secretaria estadual de segurança está revendo os processos dos detentos que são de outros estados. “Tem várias pessoas que cometeram crimes em outros lugares e estão cumprindo pena aqui. Acredito que a população prisional cairá em Santa Catarina toda”, analisa Wilson.

Outro fator que influiu na projeção do novo prédio é o custo. “Se o projeto contemplasse um número maior de vagas, o valor final poderia ser muito maior do que os R$ 3,5 milhões estimados. Vamos resolver um problema de cada vez”, pondera o secretário regional. No orçamento estadual de 2008, R$ 1 milhão está reservado para o início das obras.